05:57 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento do míssil balístico intercontinental (foto de arquivo)

    Coreia do Norte ameaça sobre 'consequências indesejadas' se EUA não mudarem postura

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    18141

    O vice-ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte disse nesta terça-feira que os Estados Unidos enfrentarão "consequências indesejadas", caso não apresentem uma nova posição nas negociações de desnuclearização até o final do ano, informou a mídia estatal.

    O líder norte-coreano Kim Jong-un estabeleceu um prazo até o fim de ano para os EUA mostrarem mais flexibilidade depois que sua segunda cúpula com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não conseguiu fechar um acordo para a desnuclearização.

    Mas Trump e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, deixaram de lado o prazo, pedindo que Kim tome medidas em sua promessa de desnuclearização após anos de programas nucleares e de foguetes, desafiando as resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

    O vice-ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte, Choe Son-hui, destacou a entrevista de Pompeo na semana passada com a CBS, na qual ele disse que os Estados Unidos podem ter de "mudar de rumo" se as negociações fracassarem.

    "Mudar de caminho não é um privilégio que só os Estados Unidos têm, mas poderia ser nossa escolha se decidirmos", alertou Choe, segundo a agência oficial de notícias KCNA. "Se os Estados Unidos não conseguirem restabelecer sua posição dentro do cronograma que concedemos, verão consequências realmente indesejáveis".

    Ela também afirmou que a determinação da Coreia do Norte para desnuclearizar permaneceu inalterada. Isso aconteceria "quando chegasse a hora", mas apenas se os Estados Unidos mudassem seus cálculos atuais. "Nós sabemos o caminho que tomaremos, mas estamos apenas hesitando em escolher o prazo para os Estados Unidos", acrescentou Choe.

    Pyongyang vinha buscando um acordo para aliviar as sanções em troca do desmantelamento de algumas de suas instalações nucleares, mas Trump pediu um "grande acordo" em que as sanções seriam suspensas os norte-coreanos entregassem todas as suas armas nucleares aos Estados Unidos.

    As observações de Choe continuam o ataque do Norte à pessoa apontada por Trump nas negociações nucleares, depois que outro funcionário do Ministério de Relações Exteriores rejeitou Pompeo como uma contraparte, exigindo uma mudança para alguém "mais cuidadoso e maduro".

    O Departamento de Estado não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre as declarações de Choe, mas Pompeo reiterou na segunda-feira que ele ainda estava no comando da equipe de negociação dos EUA.

    "O presidente decide isso", explicou ele em entrevista ao site The Hill. "Não podemos decidir quem é meu colega, e o presidente Trump decide quem representará a América".

    Trump disse que está aberto a uma terceira cimeira com Kim, mas ressaltou que as sanções permanecerão em vigor.
    Em resposta a uma pergunta na entrevista de segunda-feira, Pompeo comentou que não sabia se uma terceira cúpula poderia acontecer em breve.

    "Queremos ter certeza de criar as condições em que, se entregarmos isso, se os dois líderes se unirem, possamos fazer progressos substanciais", ponderou, acrescentando que Washington está trabalhando diplomaticamente com a Rússia, a China e outros países para garantir sanções são aplicadas.

    "E estamos confiantes de que, enquanto continuarmos aplicando a pressão econômica na Coreia do Norte, teremos outra oportunidade para desbloquear e fazer a Coreia do Norte se desnuclearizar", completou.

    Mais:

    Satélite teria captado atividades em complexo nuclear da Coreia do Norte
    Seul revela que tipo de arma foi recentemente testado pela Coreia do Norte
    Kim Jong-un convida Vladimir Putin para visitar Coreia do Norte
    Tags:
    armas nucleares, Kim Jong-un, Mike Pompeo, Donald Trump, Estados Unidos, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar