13:32 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Destróier da Marinha americana USS Stethem

    Analista sobre navios dos EUA perto da China: paranoia e desejo de sufocar economia do país

    © AFP 2019/ ROSLAN RAHMAN
    Ásia e Oceania
    URL curta
    14310

    Dois destróieres norte-americanos passaram pelo estreito de Taiwan, "promovendo a liberdade de navegação" e provocando protestos de Pequim. Cientista político russo comentou a situação.

    Mais cedo, a agência Reuters, citando militares de alto escalão da Frota do Pacífico dos EUA, relatou a passagem dos dois navios de guerra William Lawrence e o Stethem pelo estreito de Taiwan, ocasionando protesto de Pequim.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o cientista político da Academia de Ciência da Rússia, Konstantin Blokhin, indicou os motivos que os EUA teriam para passar pela região reivindicada pela China.

    "Os americanos estão tentando provocar a China de todas as formas. Os Estados Unidos veem à região do mar do Sul da China e às Ilhas Spratly como zona de eventual atrito. Lá, os EUA estão tentando conter as crescentes capacidades da Marinha chinesa", indica.

    Navio chinês mostra suas capacidades durante manobras (imagem ilustrativa)
    © AP Photo / Xinhua, Wu Dengfeng, File
    "A administração Trump está paranoica com a China. Trump se rodeou de pessoas que simplesmente odeiam a China. Os americanos estão interessados não apenas em dissuadir, mas também em estrangular economicamente a China", afirmou o cientista político.

    Na opinião dele, visto que "as principais rotas comerciais da China com a Europa, com outros países, passam pelo estreito de Malaca, os estrategistas americanos acreditam que, se bloquear esse estreito, a China não terá a oportunidade de se desenvolver plenamente".

    "Mas a China terá outra oportunidade – redirecionar esses caminhos comerciais, ao invés de rotas marítimas, através da Rússia. E isso mostra outra base firme para a cooperação sino-russa", concluiu.

    Cruzador nuclear pesado russo Pyotr Velikiy no Mediterrâneo
    © Sputnik / Serviço de Imprensa da Frota do Norte/Andrey Luzik/USO EDITORIAL
    As relações oficiais entre o governo central da China e a província insular de Taiwan foram interrompidas em 1949, depois que as forças do Kuomintang, lideradas por Chiang Kai-shek, foram vencidas na guerra civil com o Partido Comunista chinês e se mudaram para Taiwan. Negócios e contatos informais entre Taiwan e a China continental só foram retomados no fim dos anos 80.

    Desde o início dos anos 90, as partes começaram a entrar em contato através de organizações não governamentais – a Associação para o Desenvolvimento de Relações de Pequim e a Rede de Trocas, usando o estreito de Taiwan.

    Mais:

    China teria capacidade 'decisiva' para derrotar Marinha dos EUA
    Desarmamento nuclear de Rússia, EUA e China pode causar guerra real, diz parlamentar russo
    Atividade naval da China faz Japão buscar cooperação com vizinhos
    China protesta contra entrada de navio de guerra francês no estreito de Taiwan
    Tags:
    passagem marítima, liberdade de navegação, destróieres, navios de guerra, Marinha dos EUA, Estreito de Taiwan, Estreito de Malaca, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar