02:06 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Motor turboventilador PW610F

    Índia inicia preparativos para testar 1º motor turboventilador construído nacionalmente

    © CC BY-SA 3.0 / Alan Radecki Akradecki / PW610F turbofan engine
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 210
    Nos siga no

    Eles serão usados como unidades de propulsão para drones e foram testados em potência máxima e condições climáticas extremamente frias por 90 minutos de operação contínua. A Índia iniciará em breve os testes de voo.

    O procedimento ocorrerá em uma usina de força para veículos aéreos não tripulados destinados a aplicações subsônicas. O Estabelecimento de Pesquisa em Turbinas a Gás (GTRE) realizou seis protótipos de motores com 95% de componentes indianos no ano passado.

    "O GTRE testou o motor para a potência máxima em Bengaluru durante 90 minutos de operação contínua. Durante o inverno, o motor foi testado em Leh (-15 graus Celsius)", diz a declaração disse a Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (DRDO).

    Em março de 2018, a DRDO convidou manifestações de interesse de indústrias indianas dispostas a trabalhar sob termos de transferência de tecnologia para fabricação e montagem do motor.

    "Mais esforços estão sendo feitos para testar o motor e fabricar o mesmo através de indústrias indianas", diz o documento.

    O Ministério da Defesa da Índia divulgou no ano passado um documento que detalha a intenção do governo em adquirir mais de 400 drones militares, incluindo aviões pilotados remotamente e lançados por submarinos na próxima década.

    "A RPA (aeronave remotamente pilotada) de combate de altitude média e longa duração deve ter a capacidade de voar até 30 mil pés de altitude [9.144 metros], com amplas distâncias de comunicação por satélite e autonomia de mais de 24 horas", contou uma autoridade do Ministério da Defesa em anonimato.

    Tags:
    Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (DRDO), Ministério da Defesa da Índia, Leh, Bengaluru
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar