10:00 21 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Diretor da CIA, Mike Pompeo, cumprimenta o presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-un, em Pyongyang

    Pompeo 'ignora' pedido de Pyongyang e diz que desnuclearização seguirá com ele

    © AP Photo / Casa Branca
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 11

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou que os esforços diplomáticos norte-americanos continuarão em direção à meta de desnuclearização da Coreia do Norte, um dia depois de uma autoridade norte-coreana ter dito que não queria mais negociar com ele.

    "Nada mudou. Continuaremos trabalhando para negociar, ainda no comando da equipe. O presidente Trump obviamente está encarregado do esforço geral, mas será meu time", afirmou Pompeo a repórteres em Washington.

    Ele acrescentou que os diplomatas norte-americanos liderados pelo Representante Especial para a Coreia do Norte, Stephen Biegun, continuariam os esforços para alcançar a desnuclearização da Coreia do Norte, com a qual o líder norte-coreano Kim Jong-un se comprometeu em junho passado.

    "Estou convencido de que teremos uma oportunidade real para alcançar esse resultado", disse Pompeo em uma coletiva de imprensa conjunta, após conversas com ministros do Exterior e da Defesa do Japão.

    Em resposta a uma pergunta, Pompeo disse que acredita ser possível manter o compromisso diplomático com a Coreia do Norte, mesmo sem fornecer o alívio das sanções que vinha exigindo.

    "Continuaremos pressionando a Coreia do Norte a abandonar todas as suas armas de destruição em massa, programas e instalações relacionadas a mísseis balísticos", declarou Pompeo. "Continuaremos a aplicar todas as sanções contra a Coreia do Norte e incentivar todos os países a fazê-lo".

    Incerteza

    Apesar dos comentários de Pompeo, o futuro do envolvimento dos EUA com a Coreia do Norte parece estar no limbo desde a cúpula, sem nenhum sinal de contato direto entre os dois lados.

    Na quinta-feira, o funcionário do Ministério de Relações Exteriores da Coreia do Norte encarregado dos assuntos americanos disse que Pyongyang não queria mais negociar com Pompeo e ele deveria ser substituído nas negociações por alguém mais maduro.

    Essa declaração veio horas depois de a Coreia do Norte anunciar seu primeiro teste de armas desde que uma segunda cúpula entre Trump e Kim foi interrompida em fevereiro.

    Especialistas disseram que o comunicado norte-coreano parecia destinado a dividir Trump de altos funcionários, na esperança de exigir concessões, particularmente alívio de punir sanções.

    Autoridades norte-americanas minimizaram o teste do que a Coreia do Norte descreveu como uma arma "tática", implicando um sistema de curto alcance e não os mísseis balísticos vistos como uma ameaça aos Estados Unidos.

    "Eu não tenho os detalhes, eu simplesmente não tenho perseguido, tem havido algumas outras prioridades, de modo que você tenha uma noção de onde isso se classifica", disse o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Patrick Shanahan, antes das conversações no Pentágono com seu colega japonês Takeshi Iwaya.

    Kim alertou na semana passada que o colapso da cúpula corre o risco de reviver as tensões e disse que só está interessado em encontrar Trump novamente se Washington mostrar mais flexibilidade. Ele deu um prazo final de um ano para uma mudança de atitude.

    Trump disse que está aberto a outra cúpula com Kim, mas seu conselheiro de segurança nacional, John Bolton, disse à Bloomberg News que primeiro precisava ser "uma indicação real da Coreia do Norte de que eles tomaram a decisão estratégica de abandonar o controle nuclear de armas".

    Em um desenvolvimento separado, as autoridades norte-americanas prenderam na quinta-feira um ex-fuzileiro naval americano que é membro de um grupo que supostamente invadiu a embaixada norte-coreana em Madri em fevereiro, disseram duas fontes familiarizadas com a prisão.

    Agentes federais armados dos EUA também invadiram o apartamento de Adrian Hong, líder da Cheolima Civil Defense, um grupo que busca a derrubada de Kim, que é culpado pelo ataque de 22 de fevereiro, disse uma pessoa próxima ao grupo.

    No início deste mês, o Ministério de Relações Exteriores da Coreia do Norte denunciou o incidente como um "grave ataque terrorista" e citou rumores de que o FBI estava parcialmente por trás do ataque. O Departamento de Estado dos EUA disse que Washington não tem nada a ver com isso.

    Mais:

    Para que Coreia do Norte mostra armamento avançado?
    Satélite teria captado atividades em complexo nuclear da Coreia do Norte
    Líder da Coreia do Norte dá ultimato aos EUA e cobra postura de Trump
    Tags:
    sanções, diplomacia, armas nucleares, desnuclearização, FBI, Pentágono, Adrian Hong, Takeshi Iwaya, Stephen Biegun, Kim Jong-un, Donald Trump, Mike Pompeo, Estados Unidos, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar