12:38 26 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Contêineres no porto de águas profundas de Yangshan, parte da Zona Franca de Xangai.

    China quer acelerar negociações para criação de área de livre comércio com Japão e Coreia

    © REUTERS / Aly Song
    Ásia e Oceania
    URL curta
    8180

    China, Coreia do Sul e Japão devem acordar o estabelecimento de uma área de livre comércio o quanto antes, afirmou o conselheiro de estado chinês Wang Yi durante um diálogo econômico de alto nível com o chanceler japonês, Taro Kono.

    "É necessário promover uma parceria econômica regional abrangente e chegar a um acordo nas negociações sobre a criação de uma área de livre comércio entre a China, a Coreia do Sul e o Japão o mais rápido possível, para liderar o processo de integração econômica na Ásia Oriental", disse Wang, conforme citado por um comunicado publicado no site do Ministério das Relações Exteriores.

    Kono, por sua vez, observou que, em vista de um grande número de incertezas no ambiente internacional, o Japão e a China precisavam aprofundar a cooperação econômica e proteger conjuntamente um mecanismo comercial multilateral.

    A declaração acontece após Kono iniciar uma visita de trabalho de três dias à China em 13 de abril, a convite de Wang. Os dois ministros das Relações Exteriores realizaram o quinto diálogo econômico de alto nível, durante o qual discutiram as relações bilaterais sino-japonesas, bem como as questões internacionais e regionais de interesse comum.

    Um dia antes, o premiê chinês Li Keqiang afirmou que a segunda maior economia do mundo está preparada para atingir sua meta de crescimento econômico anual de 6,5% neste ano. Ele também enfatizou que a abertura da economia chinesa ao investimento internacional e o sólido compromisso nacional com o livre comércio e a expansão do setor privado.

    Tags:
    Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Yi, Li Keqiang, Taro Kono, Ásia Oriental, Japão, Coreia do Sul, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar