16:24 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    China espera que a Nova Rota da Seda derrube barreiras comerciais e de investimento

    Críticas à Nova Rota da Seda são 'preconceito', acusa principal diplomata da China

    © flickr.com/ Trey Ratcliff
    Ásia e Oceania
    URL curta
    450

    A China nunca forçou a dívida aos participantes de seu projeto da Nova Rota da Seda, como críticos "preconceituosos" sugeriram, afirmou o principal diplomata do país neste sábado, em uma defesa com palavras fortes de uma importante plataforma política do presidente Xi Jinping.

    A Iniciativa Uma Rota, Um Cinturão de Xi, como é formalmente chamada, prevê a reconstrução da antiga Rota da Seda para conectar a China com a Ásia, a Europa e outros países com gastos maciços em infraestrutura.

    Mas isso tem sido controverso em muitas capitais ocidentais, particularmente em Washington, que a considera apenas um meio de espalhar a influência chinesa no exterior e sela os países com dívida insustentável por meio de projetos não-transparentes.

    Os Estados Unidos têm criticado especialmente a decisão da Itália de assinar o plano neste mês, durante a visita de Xi a Roma, a primeira de um país do G7.

    Falando ao Diário do Povo oficial do Partido Comunista, Yang Jiechi, que dirige o Comitê de Relações Exteriores do partido, declarou que havia notado que alguns membros da comunidade internacional acreditavam que se tratava de uma ferramenta geopolítica e que apenas traria dívidas para os países participantes.

    "Isso obviamente mostra falta de objetividade e compreensão justa da iniciativa Uma Rota, Um Cinturão. É um mal-entendido, um erro de julgamento e é até mesmo preconceito", escreveu Yang, ex-ministro de Relações Exteriores chinês e embaixador em Washington.

    A China tem enfatizado muitas vezes que a sua iniciativa econômica é para promover o desenvolvimento conjunto, acrescentou.

    "[O projeto] Uma Rota, Um Cinturão é aberto, inclusivo e transparente. Não faz pequenos jogos geopolíticos. Não se envolve na exclusão de pequenos círculos exclusivos", prosseguiu Yang.

    O oficial chinês observou que muitos países, empresas e pessoas comuns que participam do projeto haviam "publicamente refutado rumores" de que isso seria uma armadilha da dívida. Os projetos da Nova Rota da Seda, desde sua seleção até seu financiamento, passam por avaliações cuidadosas de risco e os princípios da iniciativa enfatizam o desenvolvimento sustentável, disse ele.

    "Para os parceiros de cooperação que têm dificuldades com dívidas, o princípio da China é resolver isso apropriadamente através de consultas amistosas e nunca forçou ou forçou a dívida" a ninguém, complementou Yang.

    Até o momento nenhum país participante enfrentou uma crise da dívida — ao contrário, muitos países conseguiram escapar da "armadilha do não desenvolvimento", escreveu ele.

    A China realizará seu segundo cinturão de cintos e estradas em Pequim no final de abril. Yang disse que quase 40 líderes estrangeiros participariam, mas não os nomearam.

    Alguns dos aliados mais próximos da China já confirmaram que eles virão, incluindo o presidente russo Vladimir Putin, o primeiro-ministro paquistanês Imran Khan, o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, e o primeiro-ministro cambojano Hun Sen.

    Mais:

    Itália pode usar Rota da Seda chinesa para amenizar sanções à Rússia, diz ex-chanceler
    EUA tentam demover a Itália de se unir à Nova Rota da Seda da China
    Itália se une à nova Rota da Seda da China e causa desconforto aos EUA
    'Alianças políticas': Rota da Seda chinesa poderá cruzar América Latina
    Tags:
    influência, preconceito, diplomacia, infraestrutura, economia, comércio, nova rota da seda, Yang Jiechi, Xi Jinping, Itália, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar