09:34 20 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Imran Khan em discurso anti-governista realizado em Islamabad em 2014.

    Primeiro-ministro do Paquistão: 'Perigo de guerra com a Índia ainda não acabou'

    © AP Photo / B.K. Bangash
    Ásia e Oceania
    URL curta
    442

    Expressando grande preocupação com a persistente tensão na fronteira, o primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, advertiu que o perigo da guerra com a Índia ainda não acabou. Khan previu que as relações permaneceriam tensas até que as eleições gerais da Índia terminassem.

    "Já estamos preparados para evitar qualquer agressão da Índia", Imran Khan disse, respondendo a uma pergunta sobre "a histeria de guerra da Índia" durante coletiva com um grupo de jornalistas paquistaneses em Islamabad.

    A declaração vem em meio a relatos de disparos contínuos entre países por forças de ambos os países, usando morteiros e metralhadoras pesadas. Os dois países também reforçaram a implantação de sistemas de mísseis de defesa aérea e jatos de combate ao longo da fronteira.

    O Paquistão ainda não reabriu espaço aéreo para voos civil indiano. A situação permanece inalterada desde 26 de fevereiro, quando a Força Aérea Indiana realizou um ataque "não militar preventivo" em Balakot dentro do Paquistão e afirmou ter destruído a infraestrutura de terroristas do Jaish-e-Mohammed. O Paquistão respondeu invadinho o espaço aéreo indiano no dia seguinte e abrindo fogo contra aviões do inimigo.

    Após o engajamento aéreo, o Exército indiano supostamente comprou novos rifles de precisão, incluindo o Barrett M95.50 BMG e o Beretta Scorpio TGT "Victrix" 338 Lapua Magnum, para a força de patrulha da fronteira.

    Reportagens recentes sugerem que a Força Aérea Indiana também está planejando o envio de mísseis ar-ar adicionais para missões de patrulha aérea na fronteira.

    Tags:
    Barrett M95.50 BMG, Beretta Scorpio TGT "Victrix" 338 Lapua Magnum, Exército da Índia, Imran Khan, Paquistão, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar