14:51 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Transmissão da notícia sobre morte de Kim Jong-nam, irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un

    Promotores retiram acusações contra suspeita de matar irmão de Kim Jong-un

    © AFP 2019 / Jung Yeon-Je
    Ásia e Oceania
    URL curta
    310
    Nos siga no

    Promotores malaios solicitaram nesta segunda-feira (hora local) a retirada de uma acusação de homicídio contra uma mulher indonésia acusada de matar Kim Jong-nam, o meio-irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un.

    O julgamento da indonésia Siti Aisyah, de 26 anos, foi suspenso em dezembro do ano passado, quando seus advogados discutiram com os promotores sobre o acesso a declarações feitas por sete testemunhas.

    Os promotores disseram ao tribunal que foram instruídos a retirar a acusação contra Siti Aisyah. Nenhuma razão foi dada para a decisão.

    "Siti Aisyah está libertada", informou o juiz Azmin Ariffin ao Supremo Tribunal de Shah Alam, ao aprovar um pedido da Promotoria para que não seja acusada de ter assassinado Kim Jong-nam.

    O magistrado concedeu uma quitação não equivalente a uma absolvição.

    "Ela pode sair agora", concluiu. Em seguida, a mulher deixou a Corte e não falou com os jornalistas.

    Afastado do seu país natal há anos, Kim Jong-nam foi morto no aeroporto internacional de Kuala Lumpur em 13 de fevereiro do ano passado, quando duas mulheres jogaram em seu rosto com o agente químico VX, altamente venenoso e mortal. A indonésia Siti Aisyah e a vietnamita Doan Thi Huong foram acusadas pelas autoridades malaias de terem perpetrado o ataque enquanto ele esperava para embarcar em um voo para Macau.

    Kim morreu em agonia em horas e as mulheres foram presas alguns dias depois.

    As duas, que enfrentavam a pena de morte por enforcamento se condenadas, declararam-se inocentes e disseram que foram enganadas para acreditar que eram parte de um programa de TV de moda, com seus advogados culpando agentes norte-coreanos.

    A Coreia do Sul também acusou a Coreia do Norte de ordenar o assassinato, uma denúncia que Pyongyang nega até hoje.

    No ano passado, um grupo de norte-coreanos foi preso por uma suposta tentativa de matar Kim Han-sol, filho de Kim Jong-nam e sobrinho de Kim Jong-un. Segundo analistas, ele poderia representar um potencial sucessor e isso não cai bem entre os altos escalões em Pyongyang.

    Mais:

    Morto com agente químico, irmão de Kim Jong-un se encontrou com americano, diz testemunha
    Irmão assassinado de Kim Jong-un poderia ter recebido dinheiro da inteligência dos EUA
    Filho de Kim Jong-nam quebra silêncio e faz apelo em VÍDEO
    Tags:
    VX, armas químicas, agente nervoso, assassinato, Kim Han-sol, Siti Aisyah, Kim Jong-un, Kim Jong-nam, Coreia do Norte, Malásia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar