18:03 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Banhistas passam por escultura de areia com mensagem de orações pelo voo perdido da Malaysian Airlines MH370

    'Enquanto houver esperança': Malásia promete continuar buscas por voo MH370 desaparecido

    © AFP 2019 / Asit Kumar
    Ásia e Oceania
    URL curta
    120

    Ainda não foi encontrada nenhuma pista para resolver o "desaparecimento sem precedentes" do voo MH370, apesar dos esforços de diversos países na busca pelo Boeing 777 da Malaysia Airlines.

    A mais recente das buscas, que foi realizada pela empresa americana Ocean Infinity, durou 90 dias e abrangeu 112 mil quilômetros quadrados do oceano Índico, incluindo o seu leito.

    Ao se reunir pela primeira vez com a família de uma das vítimas do voo, o primeiro-ministro malaio Mahathir Mohamad prometeu continuar a procura pelo avião, que há cinco anos sumiu dos radares transportando 239 pessoas.

    "Enquanto houver esperança, continuaremos a pensar em maneiras e meios de descobrir" o destino do avião, disse o premiê à 9 News Australia na presença da viúva de uma das vítimas do MH370, a advogada Danica Weeks, acrescentando que eles "pretendem continuar" os esforços.

    "Perder um avião é uma coisa, mas perder pessoas é outra […] Não dá para dormir pensando no que aconteceu, você continua se perguntando e não tem nenhuma resposta", afirmou Mohamad.

    "Por favor, não desista de nós", disse Weeks em um apelo emocional ao primeiro-ministro.

    O premiê malaio alega que "uma das coisas que ouviu desde o início, foi que o avião foi sequestrado", no entanto, independentemente do lugar onde tenha caído, um avião tão grande como um Boeing 777 "teria deixado sinais".

    "Não há absolutamente nenhuma evidência. É estranho. É como se o avião simplesmente desaparecesse", afirmou.

    Abordando a explicação, considerada a mais plausível pelos especialistas internacionais, sobre sequestro e subsequente ato de assassinato em massa cometido pelo próprio piloto do Boeing 777, o comandante Zaharie Ahmed Shah, ele rejeitou todas as especulações sobre o envolvimento do piloto no incidente.

    Entretanto, o ministro dos Transportes da Malásia, Anthony Loke, que recusou todas as outras entrevistas relativas ao MH370, falou exclusivamente ao 60 Minutes sobre a possibilidade de retomar os esforços de busca do avião que sumiu.

    "Estamos comprometidos em retomar a busca se houver provas confiáveis, e gostaríamos de ver que podemos encontrar o avião e dar uma conclusão às famílias", destacou o ministro.

    "Se houver uma proposta e pistas confiáveis, então estamos preparados para olhar para ela. Não é como se estivéssemos sentados aqui sem fazer nada", prosseguiu, dizendo que estão "mais do que dispostos a reiniciá-la, se estivermos convencidos de que a nova tecnologia pode ser mais eficiente na busca", declarou previamente Loke durante um evento no domingo (3).

    No verão de 2018, as autoridades da Malásia disseram que não conseguiram determinar a causa do desaparecimento do avião, embora tenham descartado várias possibilidades.

    Os investigadores relataram que o MH370 deve ter retornado em direção à Malásia sob controle manual. No entanto, não foi determinado com exatidão se o avião estava sendo dirigido pelo piloto ou se houve qualquer interferência ilícita, levando a um "desaparecimento sem precedentes na história da aviação comercial".

    A busca oficial pelo voo MH370, que custou US$ 150 milhões, foi cancelada em janeiro de 2017. O avião fazia o percurso de Kuala Lumpur para Pequim com 239 pessoas a bordo e sumiu no dia 8 de março de 2014.

    Mais:

    Caça ao MH370: cambojanos afirmam terem visto avião com logotipo parecido caindo na selva
    Copiloto do voo MH370 teria tentado pousar avião com passageiros mortos
    Autor de chamadas misteriosas ao piloto do MH370 quebra o silêncio passados 5 anos
    Satélite da NASA pôde ter captado sem querer avião do voo MH370 perdido no oceano (VÍDEO)
    Tags:
    voo MH370, avião desaparecido, Malaysia Airlines, Malásia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar