22:15 11 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    A SCO ratificou na sexta-feira (10) uma resolução sobre o início dos procedimentos de expansão do grupo, abrindo a possibilidade de adesão plena da Índia e do Paquistão ao bloco

    Paquistão espera que a Rússia ajude a reduzir as tensões com a Índia, diz embaixador

    © AP Photo / CHANNI ANAND
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2191
    Nos siga no

    O Paquistão apreciaria a participação russa na redução das tensões entre Islamabad e Nova Déli, afirmou o embaixador paquistanês na Rússia, Qazi Khalillulah, à Sputnik nesta sexta-feira.

    "A Rússia é um país amigo e apreciaríamos se pudesse desempenhar um papel na redução das tensões, resolver a situação e promover o diálogo entre o Paquistão e a Índia, porque o Paquistão tem estado sempre dispostos a negociar com a Índia, enquanto a outra parte não quer se sentar à mesa", disse Khalillulah.

    O embaixador também descreveu como "positiva" e "útil" a proposta do ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, de criar na Rússia uma plataforma para conversações entre a Índia e o Paquistão, desde que os dois lados o aceitem.

    "Um acordo por parte da Índia é necessário para iniciar um diálogo", opinou Khalillulah, expressando a disposição de Islamabad de conversar com Nova Déli "quando estiver pronto".

    O Paquistão, por sua vez, sublinhou, está disposto a falar sobre qualquer assunto.

    O diplomata também observou que o primeiro-ministro paquistanês Imran Khan fez várias tentativas para contatar seu colega indiano, Narendra Modi.

    Além disso, Khalillulah disse que o Paquistão entregou nesta sexta-feira o piloto indiano capturado depois de da queda do seu avião à missão diplomática do seu país, o que mostra que "nós nos preocupamos com o povo da Índia, somos um país pacífico e nós procuramos reduzir a tensão".

    As relações entre a Índia e o Paquistão intensificou após um ataque suicida em 14 de fevereiro um comboio da polícia em Pulwama, no estado indiano de Jammu e Caxemira, matando mais de 40 pessoas mortas e dezenas de feridos.

    O ataque foi reivindicado pelo grupo terrorista Jaish-e-Mohammed (JeM) cujo chefe, Masood Azhar, está no Paquistão, segundo Nova Déli.

    A Índia novamente acusou o Paquistão de patrocinar grupos terroristas na região disputada da Caxemira, mas Islamabad rejeitou a acusação chamou de "infundadas" e propôs a Nova Déli investigar conjuntamente o ataque.

    Em 26 de fevereiro, a Índia bombardeou as bases que seriam do JEM em território paquistanês, dizendo que era uma "ação não-militar preventiva" e "absolutamente necessária" por causa das informações que o grupo estava planejando mais ataques.

    No dia seguinte, o Paquistão respondeu a essa incursão com um ataque aéreo transfronteiriço, para demonstrar sua capacidade de autodefesa.

    O choque aéreo resultou na derrubada de um MiG-21 indiano, cujo piloto foi capturado pelos paquistaneses.

    Nova Déli também alega ter abatido um F-16 paquistanês na quarta-feira, mas Islamabad nega ter usado o avião de caça no ataque.

    Mais:

    Paquistão irá liberar piloto indiano detido como 'gesto de boa vontade'
    'Longas geadas, curtos degelos': como vão se desenvolver relações entre Índia e Paquistão?
    Escalada da tensão: consequências do conflito entre Índia e Paquistão
    Tags:
    agressão, F-16, MiG-21, relações bilaterais, mediação, diplomacia, Narendra Modi, Imran Khan, Sergei Lavrov, Qazi Khalillulah, Paquistão, Índia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar