09:29 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 61
    Nos siga no

    Um importante planejador estatal chinês disse que as empresas estatais do país atrairão investimentos estrangeiros e sofrerão mudanças estruturais para melhorar a eficiência, aumentar a produção e reduzir os riscos sistêmicos.

    O principal planejador econômico da China diz que o governo de Pequim pretende atrair investimentos estrangeiros maciços em empresas estatais do país, que, segundo alguns especulam, podem ser uma tentativa de abrir ainda mais a economia chinesa. A declaração vem depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, pediu repetidamente uma maior abertura da China em meio às negociações comerciais em curso.

    Em uma declaração no domingo, Xiao Yaqing, presidente da Comissão de Supervisão e Administração de Ativos Estatais (SASAC), disse que as principais empresas estatais do país estão passando por um processo de reforma.

    Xiao disse que, como parte das mudanças, as estatais poderão atrair investimentos estrangeiros, o que provavelmente aumentará seu potencial de crescimento, melhorará a qualidade da governança corporativa e aumentará o interesse de investidores internacionais na economia chinesa.

    Os investidores estrangeiros "participarão ativamente da reforma e desenvolvimento de empresas centrais, e explorarão conjuntamente formas de cooperação profunda, incluindo a propriedade mista", disse Xiao.

    As declarações do oficial estão de acordo com o conceito de parceria público-privada, ou "propriedade mista", que Pequim vem defendendo há anos como um caminho para o desenvolvimento econômico da China. As autoridades chinesas também disseram que as reformas em andamento e o esperado fluxo de investimentos estrangeiros podem tornar as estatais do país mais competitivas no mercado global.

    De acordo com um relatório separado do Ministério do Comércio da China, a expansão total do investimento estrangeiro direto (IED) da China caiu para 4,8% em relação ao ano anterior, totalizando US $ 12,45 bilhões no mês passado.

    Enquanto isso, alguns economistas apontam, as empresas menores e privadas da China têm sido mais eficientes nos últimos anos, incluindo aquelas em indústrias voltadas para a exportação. Diversas empresas estatais chinesas foram afetadas por nepotismo, corrupção e baixa eficiência de produção, argumentam os especialistas, enquanto a forte concorrência no mercado interno da China tornou as empresas menores mais flexíveis e sustentáveis.

    "Empresas privadas na China são geralmente mais eficientes, mais lucrativas e menos endividadas do que suas contrapartes estatais", escreveu Alexander Wolf, da Aberdeen Standard Investments, de Hong Kong, em sua coluna para a Nikkei Asian Review. "Este ano (2018), a China teve pelo menos 20 incumprimentos corporativos, 50% a mais do que no ano passado (2017)".

    As autoridades da SASAC parecem ter reconhecido o desejo de reformar o setor estatal, que predomina na economia, mas representa altas taxas de ineficiência. No início deste ano, o Conselho de Estado da China fez várias mudanças importantes na direção das agências responsáveis ​​pelo gerenciamento de SOEs.

    O Conselho de Estado substituiu os altos funcionários da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (CNDR) e da Administração Nacional da Propriedade Intelectual (NIPA). Essas mudanças são vistas como uma tentativa de mudar o estilo de gerenciamento na maioria das estatais, enquanto as medidas para atrair investimentos estrangeiros podem promover o processo de reforma.

    As autoridades chinesas também expressaram preocupação de que algumas das estatais do país se tornaram "empresas zumbis" atoladas em dívidas e baixa produção. A SASAC disse que as reformas em andamento introduzirão capital privado, reestruturarão ativos e passivos e reduzirão o excesso de capacidade nas principais empresas estatais.

    A maioria dos especialistas concorda que tais medidas poderiam melhorar a sustentabilidade geral da economia chinesa, que em grande parte ainda depende do setor público.

    "As políticas destinadas a tornar as estatais maiores, mais fortes e melhores podem levar as empresas estrangeiras a investir em outros lugares", escreveu Wolf, da Aberdeen, em sua coluna no Nikkei.

    De acordo com analistas do banco de investimentos Morgan Stanley, o crescimento do IED na China deve acelerar na esteira das reformas em andamento. Economistas dizem que o fluxo de investimentos estrangeiros deve subir para US$ 110-230 bilhões por ano entre 2019 e 2030, em comparação à média anual de US$ 126 bilhões na última década.

    Tags:
    Morgan Stanley, Administração Nacional da Propriedade Intelectual (NIPA), Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (CNDR), Nikkei Asian Review, Aberdeen Standard Investments, Ministério do Comércio da China, Comissão de Supervisão e Administração de Ativos Estatais (SASAC), Alexander Wolf, Xiao Yaqing, China, Pequim
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar