17:55 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    349
    Nos siga no

    Um radar de alerta antecipado dos EUA poderá ser erguido em breve no Japão para rastrear projéteis que chegam e monitorar satélites inimigos, revelou um jornal japonês depois que a China revelou seu mais novo míssil balístico, que coloca a ilha de Guam ao seu alcance.

    Washington vai falar sobre a implantação de seu Radar de Defesa Interna (HDR) em solo japonês com Tóquio, segundo o jornal local Yomiuri, citando fontes dos governos dos EUA e do Japão. O composto de alerta antecipado localizaria e rastrearia projéteis balísticos entrantes e também monitoraria os satélites inimigos no espaço sideral.

    As fontes do Yomiuri não diziam quais países estariam ao alcance das instalações de radar, mas a peça menciona os suspeitos usuais, como China, Rússia e Coreia do Norte.

    Curiosamente, a publicação coincidiu com a China apresentando seu míssil balístico intermediário de última geração, o Dongfeng-26 (DF-26). A nova arma está em serviço com os militares chineses desde abril do ano passado, mas ainda não foi vista em ação.

    O DF-26 é dito ter um alcance entre 3.000 km e 5.741 km (1.864 para 3.567 milhas), o que significa que é capaz de atingir o território dos EUA de Guam se uma guerra começar. Há muita especulação na mídia internacional de que o míssil também poderia ser usado para atacar os porta-aviões dos EUA no mar.

    Os militares dos EUA já haviam iniciado a construção de sua primeira instalação de HDR no Havaí. Sob um contrato de US$ 585 milhões, uma empresa de defesa desenvolverá, testará e montará o radar até 2023.

    O complexo japonês teria se tornado operacional em 2025 e funcionaria em conjunto com o HDR no Havaí. No entanto, esta não é a única notícia sobre a expansão da defesa antimísseis do Pentágono que surgiu nos últimos dias.

    Na terça-feira, os EUA aprovaram a venda de dois sistemas de defesa antimísseis Aegis Ashore para o Japão como parte de um acordo de US$ 2,15 bilhões. A Marinha do Japão já possui vários destróieres capazes de Aegis em sua frota, que são completamente interoperáveis com navios similares dos EUA.

    A implantação de sistemas Aegis Ashore por aliados dos EUA gerou muita controvérsia, já que seus sistemas de lançamento podem ser usados para disparar mísseis de cruzeiro Tomahawk e outros projéteis. Isso efetivamente os transformaria em uma arma potencialmente ofensiva.

    Mais:

    Ações dos EUA no Japão criam riscos à segurança da Rússia e China, alerta Lavrov
    O que Japão, Coreia do Sul e China estão à procura na América Latina?
    China deve ficar atenta com plano de aliança militar dos EUA com Japão, diz especialista
    Tags:
    Aegis Ashore, Dongfeng-26, DF-26, Radar de Defesa Interna (HDR), defesa antimísseis, defesa, radar, ataque, segurança, Marinha do Japão, Guam, Estados Unidos, China, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar