06:32 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Olho de um crocodilo (imagem ilustrativa)

    Tubarões e crocodilos? Saiba que animais na verdade são mais mortíferos na Austrália

    © Foto: Pixabay/Angelo_Giordano
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 01

    Costuma-se acreditar que no continente australiano o maior perigo aos humanos seja representado por animais tais como tubarões, cobras venenosas e crocodilos. No entanto, a estatística mostra que tal percepção está fora da realidade.

    Entre 2008 e 2017, na Austrália, 266 pessoas morreram por causa de animais, segundo informações do Departamento Australiano de Estatísticas (ABS, na sigla em inglês).

    Pode parecer pouco imaginável, mas o primeiro lugar na lista de animais "assassinos" é ocupado por cavalos, vacas e outros animais de transporte, com 77 vítimas mortais. De acordo com esses dados, eles são mais mortíferos do que tubarões, serpentes e vespas juntos, comunica a ABC News.

    No segundo lugar do "ranking" estão "outros mamíferos", causando 60 mortes. Vale a pena destacar que esta categoria não inclui cães (22 mortes) ou ratos (uma morte).

    Em terceiro lugar encontram-se vespas e abelhas responsáveis por 27 mortes nos últimos nove anos. Entre 2000 e 2013, elas causaram na Austrália 31% dos 42 mil mortos por mordidas, de acordo com um estudo da Universidade de Melbourne.

    E só depois de todos mencionados acima vêm outras espécies que causam grande medo em muita gente. Em particular, tubarões e outros animais marinhos mataram 26 pessoas, cobras e lagartos mataram 23, enquanto ataques de crocodilos causaram 17 perdas humanas.

    E, finalmente, a lista contém as mortes por picadas de insetos não venenosos (8) e pelo contato com aranhas venenosas (4).

    Mais:

    Entre patadas e mordidas: gato brincalhão testa paciência da cobra
    Mulher alega que ex-marido a obrigava a amamentar cobras no Quênia
    3 cobras se entrelaçam durante briga violenta na Índia
    Tags:
    tubarões, serpentes, estatística, mortes, animais, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik