07:56 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Philippine President Rodrigo Duterte attends Philippines Economic Forum in Tokyo, Japan

    'Mate-os': Duterte perde a paciência com 'tolos inúteis' na Igreja Católica

    © REUTERS / Kim Kyung-Hoon
    Ásia e Oceania
    URL curta
    648

    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, está deixando todos saberem que ele está farto da oposição da Igreja Católica às suas políticas, ridicularizando seus líderes como "idiotas inúteis" que adoram um deus "estúpido".

    Batendo a Igreja Católica como "a instituição mais hipócrita" por lançar dúvidas sobre sua guerra extrajudicial contra as drogas, o líder ridicularizou os bispos católicos como "tolos inúteis", exortando seu povo a "matá-los" em um discurso na quarta-feira. Ele também afirmou que 90% dos padres são homossexuais sem qualquer posição para "postular minha moralidade".

    "Esses bispos que vocês têm matam eles. Eles são tolos inúteis. Tudo o que eles fazem é criticar", declarou.

    As autoridades católicas estão entre os críticos mais abertos da guerra extrajudicial de Duterte contra as drogas, que o senador filipino Antonio Trillanes afirma ter causado mais de 20 mil mortes desde que o presidente assumiu o poder em julho de 2016. O governo de Duterte afirma que esses números são exagerados. Publicado em outubro, o governo registra o número de mortos em 4.999 desde 2016. Grupos de direitos humanos também criticaram a repressão por visar os pobres ao invés dos chefes responsáveis pelo tráfico de drogas.

    Citando sua obrigação moral de se opor ao assassinato, a Igreja chegou a prestar assistência a algumas das vítimas e sobreviventes da pesada campanha de Duterte contra as drogas e o crime, inspirando-o a acusar o próprio Pablo Virgilio David de corrupção e drogas, até ameaçando-o com decapitação, enquanto zombando de suas crenças religiosas.

    A Igreja Católica pediu que Duterte reduzisse a retórica depois que três padres católicos foram mortos em dezembro passado "porque tais ataques podem involuntariamente encorajar mais crimes contra padres". Sem arrependimento, ele pediu aos filipinos na semana passada que construíssem suas próprias capelas, em vez de encher os bolsos dos líderes religiosos, dizendo-lhes:

    "Você não precisa ir à igreja para pagar por esses idiotas", afirmou.

    Duterte, como 90% dos filipinos, foi criado como católico, e esclareceu em um discurso posterior aos funcionários do governo que ele não é ateu, mas acredita apenas em uma divindade diferente dos católicos — um que "tem muito bom senso" em vez de o "Deus estúpido" que construiu o pecado original em uma criação "perfeita".

    No mês passado, Duterte ridicularizou o Tribunal Penal Internacional (TPI), descartando seus juízes como "pedófilos", "bêbados" e "idiotas" e ameaçando prender um de seus promotores quando o tribunal de Haia o investigou por crimes contra a humanidade. Jude Sabio, um advogado que pretende concorrer ao Senado no próximo ano, entrou com um processo contra Duterte no TPI em maio de 2017 por acusações relacionadas ao aumento do número de mortos em sua guerra às drogas.

    Duterte, que presidiu uma onda de assassinatos ao estilo vigilante enquanto servia como prefeito da cidade de Davao, subiu ao poder em uma campanha de "lei e ordem", prometendo executar traficantes e usuários em uma disputa eleitoral inflamada que até o viu xingando Papa Francisco e Barack Obama — para o qual ele mais tarde se desculpou.

    Ele categoricamente rejeita a "autoridade moral" da igreja para criticá-lo, apontando para os numerosos escândalos de abuso sexual envolvendo padres e denunciando as autoridades da igreja como corruptas. No ano passado, ele alegou ter sido abusado por um padre quando estava na universidade.

    A abordagem linha-dura de Duterte encontrou um admirador no presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que sugeriu em um tweet na quarta-feira que as autoridades chinesas deveriam impor a pena de morte para o tráfico de fentanil, o potente opióide sintético que contribuiu para a disparada dos índices de mortes por overdose nos EUA.

    Bangladesh também recebeu uma dica do líder filipino, promulgando uma lei punindo a produção, contrabando, venda e uso de metanfetaminas com a morte em outubro, enquanto o Sri Lanka anunciou em julho que começaria a executar traficantes depois de 40 anos sem impor a pena de morte.

    Mais:

    'Idiotas': Duterte volta a atacar tribunal que questiona sua letal guerra contra as drogas
    Duterte pede desculpas por ter xingado Obama de 'filho da p***' e chama Trump de amigo
    Duterte considera ficar sem smartphone por suspeitar que CIA esteja planejando matá-lo
    Tags:
    ofensa, direitos humanos, tráfico de drogas, violência, guerra, narcotráfico, bispos, Tribunal Penal Internacional (TPI), Igreja Católica, Pablo Virgilio David, Papa Francisco, Jude Sabio, Barack Obama, Antonio Trillanes, Donald Trump, Rodrigo Duterte, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik