06:10 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Drones russos serão usados no Ártico ao longo da Rota do Mar do Norte

    China finaliza construção do 1º navio capaz de operar no inverno do Ártico (FOTO)

    © flickr.com/ NOAA Photo Library
    Ásia e Oceania
    URL curta
    280

    China finalizou a construção de seu primeiro navio-cisterna para transporte de gás natural liquefeito capaz de navegar pelo Ártico em qualquer estação do ano.

    O navio da classe Arc7 recebeu o nome Boris Sokolov. Ele é capaz de realizar operações a temperaturas abaixo de —50°C e possui uma carga útil de 44.500 toneladas. Além disso, o navio deverá ser entregue à empresa grega Dynacom e provavelmente será utilizado como meio de transporte do projeto Yamal GNL.

    ​Boris Sokolov, o primeiro navio-cisterna quebra-gelo do mundo, foi lançado em Guangzhou nesta terça-feira. Ele participará do projeto GNL.

    O Boris Sokolov é o único navio capaz de realizar operações a baixas temperaturas. Anteriormente, os navios-cisterna eram capazes de transportar gás natural liquefeito para o Ártico apenas no verão, segundo a publicação do China Daily.

    Além das capacidades citadas anteriormente, o navio também pode romper camadas de gelo de até 1,8 metro e manter uma velocidade de dois nós. O comprimento do navio é de 214 metros, largura de 24 metros e velocidade de 13 nós.

    O projeto Yamal GNL iniciou as operações em dezembro passado, enviando milhões de toneladas do combustível liquefeito. A produtora de gás russa Novatek possui planos para uma linha adicional capaz de produzir um milhão de toneladas de GNL por ano.

    Além da Novatek, a Yamal GNL conta com a francesa Total, a chinesa CNPC e a Silk Road Fund.

    Mais:

    Como será novíssimo quebra-gelo russo Líder? (VÍDEO)
    Inovador quebra-gelo russo Ilya Muromets inicia testes no Ártico
    Novo potente quebra-gelo promete mudança radical na economia da Rússia
    Tags:
    transporte, gás natural, operação, navio, Novatek, Ártico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik