01:48 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    A nuvem de cogumelo do Ivy Mike (codinome dado ao teste) se eleva acima do Oceano Pacífico sobre o Atol Enewetak nas Ilhas Marshall em 1 de novembro de 1952

    Sobreviventes da bomba atômica do Japão pedem que Trump não abandone Tratado com a Rússia

    © AP Photo / Los Alamos National Laboratory
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Provável saída dos EUA do Tratado INF (23)
    890

    O pedido foi feito após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmar no sábado que seu governo estava se preparando para retirar-se do Tratado de Forças Nucleares Intermediárias devido às violações do acordo pela Rússia.

    Pelo menos cinco grupos de sobreviventes da bomba atômica (Hibakusha) assinaram uma carta de protesto contra a embaixada dos EUA em Tóquio alertando o presidente Donald Trump contra a retirada do Tratado de Forças Nucleares Intermediárias (INF), segundo o jornal japonês Asahi Shimbun.

    Hibakusha é um termo japonês usado para designar as vítimas dos bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki, em 1945, que mataram pelo menos 129.000 pessoas e deixaram inúmeras pessoas cegas ou com danos permanentes por radiação.

    Na carta, os sobreviventes advertiram especificamente que, se Washington deixar o Tratado INF, "o ímpeto global pelo desarmamento nuclear desaparecerá enquanto a probabilidade de uma guerra nuclear vai aumentar".

    Referindo-se ao Tratado da ONU sobre a Proibição de Armas Nucleares, que deve entrar em vigor no ano que vem, os sobreviventes da bomba atômica pediram a Trump que "não volte atrás".

    A carta foi emitida após o presidente do Conselho de Ligação Hibakusha do Centro do Movimento da Paz da Prefeitura de Nagasaki, Koichi Kawano repreender Trump por seus planos de retirar-se do Tratado INF.

    "Sucessivos presidentes dos EUA tiveram reuniões com seus colegas soviéticos e russos, mesmo que fossem pólos opostos em algumas questões. Mas o presidente Trump não tem essa atitude, e estamos ficando mais desesperados e ansiosos", disse.

    As palavras foram endossadas pelo vice-presidente do Conselho de Sobreviventes da Bomba Atômica de Nagasaki, Minoru Moriuchi que argumentou que, além da possível retirada dos EUA do Tratado INF, Tóquio e japoneses comuns fazendo vista grossa para a questão também representam um problema e uma ameaça à paz mundial.

    "Uma vez que uma guerra nuclear ocorra, ela pode colocar em risco toda a humanidade. (…) Estou profundamente frustrado que o governo e o povo japonês não estejam fazendo nada contra isso", afirmou Moriuchi.

    O prefeito de Nagasaki, Tomihisa Taue, por sua vez, disse que pediu que a Rússia e os EUA "negociem com calma e não voltem o relógio à era da Guerra Fria".

    Na segunda-feira, o porta-voz do Pentágono, coronel Rob Manning disse que a posição do Secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, sobre uma possível saída dos EUA do Tratado INF é similar à posição do presidente Donald Trump sobre o assunto.

    A declaração foi divulgada alguns dias depois que o presidente Trump disse que Washington provavelmente deixaria o Tratado INF por causa das contínuas violações do documento pela Rússia. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a retirada obrigaria Moscou a tomar medidas para garantir sua segurança.

    Nos últimos anos, a Rússia e os EUA acusaram-se repetidamente de violar o tratado, que foi assinado pela URSS e pelos EUA em 1987.

    O documento estipula a eliminação de mísseis nucleares e convencionais e seus lançadores com faixas de 500 a 1.000 quilômetros e 1.000 a 5.500 quilômetros.

    Tema:
    Provável saída dos EUA do Tratado INF (23)
    Tags:
    Tratado da ONU sobre a Proibição de Armas Nucleares, Tratado INF, Guerra Fria, Conselho de Sobreviventes da Bomba Atômica de Nagasaki, Centro do Movimento da Paz da Prefeitura de Nagasaki, Departamento de Defesa dos Estados Unidos, Asahi Shimbun, Pentágono, Minoru Moriuchi, Koichi Kawano, Rob Manning, James Mattis, Tomihisa Taue, Donald Trump, Dmitry Peskov, Hiroshima, Nagasaki, União Soviética, Tóquio, Moscou, Japão, Washington, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik