09:23 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Protestos em Taiwan

    Taiwaneses se manifestam por referendo declarando independência formal da China

    © REUTERS/ Judy Peng
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5519

    No sábado, milhares de manifestantes se reuniram em Taipei, capital de Taiwan, exigindo que a presidente Tsai Ing-wen estabelecesse um referendo para decidir se o povo quer declarar independência formal da China continental.

    O protesto é o primeiro em larga escala por soberania desde que Taiwan declarou sua independência há mais de 20 anos. A China considera a ilha autônoma de Taiwan como parte de seu território e reivindica soberania sobre ela. Taiwan, por comparação, ainda tem formalmente o nome do governo da era pré-comunista, a República da China, cujo controle territorial foi confinado à ilha no final da guerra civil em 1949, quando a República Popular da China foi estabelecida no continente.

    Durante o protesto, apoiada por Lee Teng-hui e Chen Shui-bian, dois ex-presidentes de Taiwan pró-independência, os manifestantes só foram autorizados a se reunir em uma área fora da sede do Partido Democrático Progressista. Embora os organizadores tenham dito que 120 mil pessoas participaram do protesto no sábado, a polícia alega que não mais de 5.000 pessoas participaram. Manifestantes gritaram slogans como "Taiwan é Taiwan" e "Somos um país independente", enquanto agitamos bandeiras e cartazes com as frases "Diga não à China, diga sim a Taiwan" e "Não há mais bullying, nenhuma anexação".

    "Todo taiwanês deve escolher o futuro de Taiwan. Deve ser uma decisão dos 23,57 milhões de taiwaneses, não da China ou de Xi Jinping", disse o ativista pela independência Kuo Pei-horng, chefe da aliança, ao Straits Times.

    Desde que assumiu o cargo em 2016, Tsai prometeu manter as relações atuais entre Taipei e Pequim, fazendo com que muitos apoiantes da independência critiquem o seu partido DPP por não defender a sua plataforma pró-independência.

    Apesar dos avisos súbitos e periódicos de Pequim, o Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA aprovou uma lei anual de defesa para 2019 que inclui medidas para fortalecer a cooperação militar entre Washington e Taipei através de exercícios conjuntos e venda de armas e aumentando a presença militar dos EUA no Mar do Sul da China.

    Desde que assumiu o cargo, o presidente dos EUA, Donald Trump, aprovou a venda de pelo menos US $ 1,4 bilhão em armas para Taipei. Em março, Trump assinou novas regras permitindo que altos funcionários dos EUA viajassem para Taiwan para atender suas contrapartes governamentais, e vice-versa.

    Tags:
    Partido Democrático Progressista, Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA, Straits Times, Kuo Pei-horng, Xi Jinping, Chen Shui-bian, Lee Teng-hui, Pequim, China, Taipei, Taiwan
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik