09:29 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Navios da Marinha chinesa participam de manobras no mar Amarelo

    Embaixador chinês: 'nossos navios de guerra não navegam no Golfo do México'

    © East News / Liu Zheng/Color China Photo/AP Images
    Ásia e Oceania
    URL curta
    17301

    O embaixador chinês também revelou que pode ser muito difícil para as autoridades diplomáticas estrangeiras determinar quem entre os conselheiros de Trump atualmente tem o ouvido do presidente.

    Cui Tiankai, embaixador da China nos EUA, anunciou que durante o recente incidente no mar do Sul da China, quando um destróier de mísseis guiado dos EUA quase entrou em colisão com um navio de guerra chinês, o navio chinês estava apenas respondendo a uma intervenção na "porta da China".

    Em uma entrevista exclusiva no Fox News Sunday, Tiankai insistiu que o próprio nome do local onde ocorreu o incidente mostrou claramente um navio estava na "ofensiva" e outro na "defensiva".

    "Onde o incidente ocorreu, você estava certo em dizer foi no mar do Sul da China. Então, é na porta da China", disse Tiankai. "Não são navios de guerra chineses que estão indo para a costa da Califórnia, ou para o Golfo do México. Está tão perto das ilhas chinesas e está tão perto da costa chinesa. Então, quem está na ofensiva? Quem está na defensiva? Isso é muito claro".

    O encontro entre o USS Decatur e as forças navais da China aconteceu depois que o destróier americano foi encontrado navegando no território disputado das Ilhas Spratly. O navio de guerra estava agindo no âmbito do programa de "liberdade de navegação", que insta a China a permitir que navios de guerra de outras nações passem pelas águas territoriais do Mar do Sul da China.

    Quando o destróier americano se aproximou de um dos recifes de Gaven, nos arredores das ilhas disputadas, a China despachou um destróier da classe Luyang para escoltar o navio de guerra americano para longe.

    O Mar do Sul da China é uma das áreas mais sensíveis do mundo. As extensas reclamações territoriais de Pequim incluem ilhas, bancos, recifes e vias marítimas, e são contestadas pelo Vietnã, Malásia, Filipinas, Brunei e Taiwan, que também têm reivindicações contrárias.

    O embaixador também revelou que o funcionamento do círculo interno do presidente dos EUA, Donald Trump, pode ser muito confuso para os funcionários diplomáticos estrangeiros.

    "Honestamente, eu tenho conversado com embaixadores de outros países em Washington, DC, e isso também faz parte do problema deles. Eles não sabem quem é o tomador de decisão final. É claro que, presumivelmente, o presidente tomará a decisão final, mas quem está desempenhando o papel? Às vezes pode ser muito confuso", disse ele.

    Tiankai acrescentou, no entanto, que apesar das relações entre EUA e China, ele continua otimista sobre a próxima reunião entre Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, que deve ocorrer em novembro.

    "Há um bom entendimento mútuo e uma boa relação de trabalho entre os dois. Espero e tenho certeza de que isso continuará", observou o embaixador.

    Mais:

    EUA veem China como o seu 'principal problema' do século XXI
    Pentágono: China é risco significativo e crescente para setor de defesa dos EUA
    Forças Armadas dos EUA poderiam enfrentar Rússia e China ao mesmo tempo?
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik