08:31 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bombardeiro estratégico B-52 da Força Aérea dos EUA

    Pequim critica provocações militares dos EUA depois de B-52 sobrevoarem mares da China

    © AP Photo/ Mindaugas Kulbis
    Ásia e Oceania
    URL curta
    641

    Logo após Washington ter confirmado que seus bombardeiros B-52 passaram perto dos territórios disputados no mar do Sul da China, Pequim disse que se opõe a tais "ações provocativas" efetuadas por jatos americanos.

    Na quarta-feira (26), o tenente-coronel Dave Eastburn informou que um dia antes um grupo de bombardeiros B-52 "havia participado de uma operação combinada, regularmente programada no mar da China Oriental". As manobras americanas, que foram acompanhadas por caças japoneses, reafirmaram a "presença contínua de bombardeiros" dos EUA na região.

    No mesmo dia, os bombardeiros de longo alcance também sobrevoaram o mar do Sul da China. Tal atividade foi alegada por Eastburn como sendo manobras de rotina no "espaço aéreo internacional".

    Durante uma coletiva de imprensa na quinta-feira (27), o Ministério da Defesa da China classificou as ações dos EUA de "provocativas" e disse que se opõe a essas medidas, segundo a Reuters.

    O secretário da Defesa, Jim Mattis, quando questionado se as manobras poderiam acabar aumentando ainda mais as tensões com o país asiático, respondeu que não houve nada de excepcional, tampouco com os navios americanos que navegam na região.

    Pequim considera todos os voos hostis sobre o mar do Sul da China, área de reivindicações conflitantes por vários países, como sendo uma invasão de sua soberania, enquanto os EUA dizem que sua presença militar na região está dentro das leis internacionais.

    Anteriormente, o general chinês He Lei declarou que qualquer outro país que tente atrapalhar e incomodar nesta questão "interfere nos assuntos internos [chineses]".

    O mesmo aconteceu em maio, quando o Pentágono enviou dois de seus navios de guerra às ilhas Paracel. Tal atitude foi considerada pelos chineses como infração da soberania de Pequim.

    Já o último acontecimento com os bombardeiros americanos acabou ocorrendo no momento de maior tensão entre os Estados Unidos e a China — durante a acirrada disputa comercial.

    Mais:

    Raio faz buraco do tamanho de uma pessoa em bombardeiro B-52
    B-52 dos EUA praticarão bombardeios massivos a 100 km da fronteira russa
    Bombardeiros B-52 norte-americanos têm dificuldades em pousar (VÍDEO)
    Analista militar sobre estado de alerta dos B-52: EUA demonstram estar determinados
    Tags:
    manobras, provocação, ações, Bombardeiro, B-52H, Mar da China Oriental, Mar do Sul da China, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik