06:33 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe durante discurso em Tóquio

    Sequestros em pauta: premiê do Japão revela disposição para cúpula com Kim Jong-un

    © REUTERS / Issei Kato
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 70

    O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, um crítico de longa data da Coreia do Norte, disse nesta terça-feira que está disposto a se encontrar com o líder norte-coreano Kim Jong-un depois da histórica cúpula do líder recluso com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

    Abe, que há um ano alertou as Nações Unidas de que a janela para a diplomacia com a Coreia do Norte estava fechando, assumiu um tom mais aberto, mas ainda cauteloso, em seu último pronunciamento ao órgão mundial.

    Mas ele disse que qualquer cúpula seria dedicada a resolver uma disputa de décadas atrás sobre o sequestro de civis japoneses na Coreia do Norte — uma questão profundamente emotiva para grande parte do público japonês sobre a qual Abe construiu sua carreira política.

    "Para resolver a questão dos sequestros, eu também estou pronto para quebrar a casca da desconfiança mútua com a Coreia do Norte, começar de novo e enfrentar cara a cara com o presidente Kim Jong-un", disse Abe em seu discurso na ONU, ressaltando que nada ainda estava em andamento.

    "Mas, se quisermos ter uma, então estou determinado a contribuir para a resolução da questão do sequestro", acrescentou.

    A Coreia do Norte sequestrou dezenas de cidadãos japoneses nos anos 70 e 80 para treinar os espiões do regime na língua e cultura japonesas.

    O ex-primeiro-ministro japonês Junichiro Koizumi viajou duas vezes a Pyongyang para buscar um novo relacionamento com o pai do atual líder, Kim Jong-Il, e foi informado pela Coreia do Norte que as vítimas remanescentes de sequestros estavam mortas — uma posição rejeitada pelos membros das famílias japonesas.

    Há especulações de que Abe poderia se encontrar com Kim, que teria dito a Trump durante a cúpula de junho em Singapura que ele estava disposto a conversar com o inimigo Japão.

    Com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, também cortejando Kim, temores crescem no Japão de que ele poderia ser excluído de qualquer resolução final sobre a Coreia do Norte se recusar o diálogo.

    Mais:

    Será possível uma aliança militar entre Rússia, China e Japão?
    Navios de guerra dos EUA e Japão realizam exercícios no mar do Sul da China
    OTAN e o Japão realizaram manobras conjuntas no mar Báltico
    Tags:
    relações bilaterais, diplomacia, sequestros, ONU, Junichiro Koizumi, Moon Jae-in, Kim Jong-un, Shinzo Abe, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik