21:33 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Líder norte-coreano Kim Jong-un e seu homólogo sul-coreano Moon Jae-in atravessam a linha que demarca a zona desmilitarizada na aldeia fronteiriça de Panmunjom, 27 de abril de 2018

    Seul anuncia possível comunidade econômica com Pyongyang, Rússia, China e EUA

    © AP Photo / Pool de imprensa da Cúpula das Coreias
    Ásia e Oceania
    URL curta
    3100

    O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, disse nesta terça-feira (14) que a futura cúpula com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, no próximo mês, seria mais um passo para a desnuclearização da península coreana e o fim da Guerra da Coreia. Ele enfatizou que a paz e a prosperidade de toda a região depende da integração entre as Coreias.

    Estabelecer uma comunidade econômica conjunta entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul e introduzir a possibilidade de viagens irrestritas entre os países será "uma verdadeira libertação", disse o presidente sul-coreano, Moon Jae-in.

    "Precisamos superar tal divisão para nossa sobrevivência e desenvolvimento. Mesmo que uma unificação política possa estar muito longe daqui, estabelecer a paz entre o sul e o norte e visitar livremente uns aos outros, e formar uma comunidade econômica conjunta é uma verdadeira libertação para nós", Moon Jae-in foi citado pela agência de notícias Yonhap.

    Moon afirmou que a comunidade econômica incluiria 6 países da região nordeste da Ásia, além dos Estados Unidos. Segundo o ganibete do presidente sul-coreano, os países asiáticos seriam a Coreia do Norte, a Coreia do Sul, a China, a Mongólia, além da Rússia, ainda de acordo com a agência Yonhap

    O estabelecimento da comunidade levaria a um bloco energético e econômico na região, expandindo a área econômica e se tornaria a fundação da co-existência e da prosperidade no nordeste asiático. E isso marcaria o início de um sistema multilateral de segurança no nordeste asiático", afirmou Moon Jae-in, conforme citado pela agência.

    O presidente sul-coreano também apontou seu desejo pela descnuclearização da Coreia do Norte, afirmando que após o estabelecimento da paz na região, os países poderiam estabelecer pelo menos duas zonas econômicas especiais próximas às províncias de Gyeonggi e Gangwon.

    Moon também expressou a possibilidade da ligação das ferrovias entre os território das Coreias, acelerando assim a integração entre os países. Segundo divulgado, a medida poderia ser concretizada ainda neste ano.

    As Coreias seguem em um processo de aproximação desencadeado este ano após encontros entre os líderes dos países, que aconteceram em abril e mais tarde e maio. O próximo encontro entre os líderes deve acontecer entre 12 e 13 de setembro, segundo afirmou o conselheiro especial da presidência sul-coreana para Relações Exteriores.

    Devido aos avanços diplomáticos, a tensão que envolvia a Coreia do Norte tem diminuído. Kim Jong-un também esteve este ano com Xi Jinping, líder chinês e com Donald Trump, presidente dos EUA.

    Mais:

    Moscou: novas sanções dos EUA contradizem atenuação de tensões em torno da Coreia do Norte
    Petróleo iraniano poderá ser fornecido para Coreia do Norte?
    Coreia do Norte pede aos EUA que derrubem sanções após 'demonstrações de boa fé'
    Coreia do Norte quer defender a paz na península coreana junto com a China
    Tags:
    cooperação comercial, integração econômica, Moon Jae-in, Kim Jong-un, Xi Jinping, Donald Trump, Japão, Mongólia, Gangwon, Gyeonggi, Rússia, EUA, China, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik