13:52 19 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Porta-aviões chinês Liaoning realizando exercícios no mar do Sul da China acompanhado por fragatas e submarinos (foto de arquivo)

    'Poucos países podem fazer isso': analista avalia projeto do novo porta-aviões chinês

    © AP Photo / Li Gang/Xinhua
    Ásia e Oceania
    URL curta
    14531

    A empresa que irá construir os futuros porta-aviões chineses afirmou que o país pretende colocar em serviço porta-aviões nucleares com catapultas eletromagnéticas até meados dos anos 2020. Analistas dizem que, mesmo que seja cumprida apenas a segunda condição, a China em breve se juntará ao pequeno grupo de países capazes de construir porta-aviões.

    No mês passado, a revista The Diplomat relatou que a China poderá vir a ter até sete navios com capacidade de transportar aviões até 2025, incluindo quatro porta-aviões e três navios menores capazes de carregar aeronaves. As notícias surgiram após o vazamento de uma imagem mostrando o design de um porta-aviões com três catapultas, causando rumores de que Pequim estaria também desenvolvendo tecnologias de catapultas eletromagnéticas.

    Navios da Marinha chinesa participam de manobras no mar Amarelo
    © East News / Liu Zheng/Color China Photo/AP Images
    O mundo se interessou pelos planos chineses de contruir porta-aviões em 2012, após o lançamento de seu primeiro porta-aviões doméstico, o Type 001A (Tipo 001A).

    Espera-se que o Type 002, o projeto de porta-aviões chinês de segunda geração, tenha uma catapulta eletromagnética semelhante àquelas usadas pelos Estados Unidos e França. A construção do Type 002, iniciada entre 2015 e 2016, deverá terminar até 2020.

    Matthew Funaiole, membro do Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais China Power Project, com sede em Washington, afirma que os analistas militares precisam realmente de acompanhar de perto o projeto Type 002, pois merece mais atenção do que seus antecessores.

    "Se o terceiro porta-aviões, Type 002, tiver mesmo alguns sistemas de lançamento por catapulta, será um enorme avanço para a China. Eles terão se aproximado muito perto do que é tecnologia real. É algo que poucos países podem fazer. Isso dará à China um status de elite", disse o analista ao Business Insider

    Se os novos navios chineses forem equipados com catapultas eletromagnéticas, isso permitirá aos aviões carregar mais combustível e munições, aumentando assim o poder do grupo naval.

    Ao mesmo tempo, segundo avaliações de Funaiole, apesar das ambições da construtora chinesa de colocar porta-aviões nucleares em serviço até 2025, é muito provável que o Type 002 tenha ainda motores a diesel, já que a China tem "deficiências muito sérias no que respeita a seus motores".

    "Isso será o maior desafio para a China — tentar descobrir como equipar um navio com um reator nuclear", acrescentou. Sem propulsão nuclear, os porta-aviões da China permanecerão menos eficientes, menos rápidos e terão um prazo de serviço menor do que seus congêneres americanos.

    Mesmo assim, no momento Funaiole acredita que é "um pouco injusto" comparar os navios chineses com os norte-americanos, "pois os EUA têm feito isso [operar porta-aviões] por 90 anos, enquanto os chineses estão apenas entrando no jogo".

    O analista acha bastante provável que China construa entre quatro e seis navios deste tipo na próxima década, que poderão ser posicionados no mar do sul da China e, talvez, até no oceano Índico.

    Mais:

    Novo foco de tensão? Bombardeiros dos EUA aparecem sobre mar da China Oriental
    Tags:
    catapulta, projeto, navio, porta-aviões, Mar do Sul da China, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik