23:47 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Treinamentos da flotilha da Frota do Cáspio

    'Constituição' do mar Cáspio proíbe presença militar de países não litorais na área

    © Sputnik / Denis Abramov
    Ásia e Oceania
    URL curta
    7412

    Hoje (12), na cidade cazaque de Aktau, está decorrendo um encontro entre os líderes da Rússia, Azerbaijão, Turcomenistão, Cazaquistão e Irã com o objetivo de assinar um documento histórico para a região – a Convenção do Mar Cáspio, cuja elaboração levou 22 anos.

    Durante as conversações, o líder iraniano, Hassan Rouhani, disse que a instalação de bases militares estrangeiras no Cáspio será proibida pelo documento que os cinco países planejam assinar daqui a alguns minutos.

    "Qualquer tipo de construção de bases militares e presença de navios militares estrangeiros no mar Cáspio são proibidos. Foi dado um passo muito importante", sublinhou Rouhani ao discursar na cúpula.

    Em conformidade com o documento, o espaço principal da superfície do mar Cáspio fica para uso comum dos cinco países, enquanto as profundezas e o fundo se dividem entre os países vizinhos em parcelas conforme o direito internacional e os acordos entre as partes. A navegação, a pesca, as pesquisas científicas e a instalação de gasodutos principais também se realizam de acordo com as regras acordadas pelos países signatários.

    Mais especificamente, a convenção estabelece a não autorização da presença das forças armadas de potências não regionais no mar Cáspio e define os cinco países adjacentes ao mar Cáspio como os responsáveis pela manutenção da segurança e pela gestão dos seus recursos.

    Ao se pronunciar durante o encontro, o presidente russo, Vladimir Putin, destacou a importância histórica do evento e sublinhou que o documento foi elaborado com base no consenso entre todas as partes.

    "Nossa cúpula tem realmente uma importância especial, até se pode dizer que é verdadeiramente histórica. A convenção sobre o estatuto legal do mar Cáspio, elaborada em resultado de negociações que duraram mais de 20 anos, estabelece o direito exclusivo e responsabilidade dos nossos países pelo destino do mar Cáspio e fixa regras claras para seu uso comum", disse o presidente russo.

    "O mar Cáspio pertence aos países do Cáspio, qualquer construção de bases militares e concessão do direito de passagem a porta-aviões, submarinos, aviões militares ou até transporte de cargas pertencentes a países estrangeiros, são proibidos no mar Cáspio", adiantou ainda seu homólogo iraniano.

    Os analistas acreditam que o maior mérito da Convenção é o estabelecimento das mencionadas regras em um documento de cumprimento obrigatório.

    Mais:

    Cazaquistão não pretende autorizar bases dos EUA no mar Cáspio, diz ministro
    Por que motivo Rússia decidiu transferir Flotilha do Mar Cáspio mais para sul?
    Irã pretende salvar mar Cáspio da catástrofe ecológica
    Tags:
    militar, documento, convenção, Irã, Azerbaijão, mar Cáspio, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik