20:04 12 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Lixo radioativo.

    Austrália envia lixo radioativo à França e contraria ambientalistas

    © Foto : Pixabay
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 21

    Esta será a 10ª vez em que combustível radioativo usado foi enviado para reciclagem, mas as ONGs locais criticaram a abordagem do governo em relação à falta de uma solução de longo prazo para lidar com o material.

    Um lote de combustível radioativo usado foi enviado de Sydney, na Austrália, para a França, para reciclagem e extração de urânio e plutônio. No entanto, o que sobrar após o processo será enviado de volta para a Austrália na forma de massa de vidro durável após a vitrificação e será enterrado em um local de despejo especial.

    O diretor nuclear da Organização de Ciência e Tecnologia Nuclear da Austrália (ANTSO) Hef Griffiths assegurou ao público em sua declaração que o processo é 100% seguro.

    O fato de o país não ter encontrado uma maneira sustentável com o lixo nuclear tem sido alvo de críticas de ONGs, especificamente da Australian Conservation Foundation.

    Um de seus membros, Dave Sweeney, lembrou que nenhum "processo para identificar o melhor local e método para gerenciar esse desperdício" havia sido desenvolvido e repreendeu o governo por recorrer a soluções temporárias.

    Ele chamou a remessa de combustível usado para a França de um "bumerangue radioativo", anunciando que os resíduos intermediários serão devolvidos após o processo de reciclagem na Europa.

    Mais:

    Maiores exercícios aéreos da Ásia-Pacífico começam na Austrália
    Encontre-me se puder: enorme píton é retirada debaixo de casa na Austrália
    Austrália gastará bilhões de dólares para espiar mar do Sul da China
    Guarda noturno: jacaré bloqueia estrada na Austrália
    Crocodilo de quase 600 kg é capturado depois de 8 anos de caça na Austrália (FOTO)
    Tags:
    lixo radioativo, Organização de Ciência e Tecnologia Nuclear da Austrália, Hef Griffiths, Dave Sweeney, França, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik