17:15 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Marine dos EUA durante treinamentos conjuntos dos EUA e Coreia do Sul em Pohang, a 260 km de Seul, 11 de abrir de 2017

    Diplomata: EUA atrasam paz definitiva com Pyongyang para 'não perder controle militar'

    © AFP 2018 / Jung Yeon-Je
    Ásia e Oceania
    URL curta
    951

    A Coreia do Norte devolveu os corpos de soldados norte-americanos que foram mortos durante a Guerra da Coreia. A medida faz parte dos acordos alcançados entre os dois países no mês de junho em Singapura. O delegado especial da Coreia do Norte, Alejandro Cao de Benós, falou com a Sputnik sobre o assunto.

    O translado ocorreu no dia do 65º aniversário do armistício, firmado entre as duas Coreias e Estados Unidos após a guerra que se iniciou em 1950 e estendeu-se até 1953.

    "Em 27 de julho celebramos o Dia da Vitória frente ao império norte-americano que durante três anos bombardeou nosso país. Foi sua primeira derrota oficial no exterior. Estamos buscando a fórmula para firmar a paz definitiva, mas este dia sempre será recordado por isso", disse à Sputnik Mundo o delegado especial da Coreia do Norte para relações culturais com países estrangeiros, Alejandro Cao de Benós.

    O governo de Kim Jong-un espera que se acelere a firmação de paz definitiva após a cúpula de 27 de abril com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e a de 11 de junho com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Após ambos os encontros, foram alcançados compromissos para melhorar os laços e alcançar a paz.

    "Não podemos avançar em direção aos Estados Unidos se não houver paz primeiro. Estamos em guerra e é um absurdo falar sobre abrir embaixadas ou realizar intercâmbios comerciais ou esportivos. A Coreia do Norte está disposta a fazê-lo, mas até agora a Administração [de Donald] Trump está relutante em firmar a paz definitiva", sublinhou Cao de Benós.

    De acordo com o portal especializado na Coreia do Norte, 38 North, o país começou a desmantelar a estação de lançamento de satélites Sohae. Desta forma, Pyongyang estaria cumprindo outro ponto fundamental do acordo com os Estados Unidos.

    "Não há razões justificáveis para atrasar a paz final, especialmente depois do acordo de Singapura. Acho que os Estados Unidos não o fazem porque temem perder o controle militar sobre parte do nordeste asiático. Uma vez que não há conflito, será difícil justificar isso", concluiu.

    Em 12 de junho, em Singapura decorreu a primeira cúpula da história entre líderes dos EUA e Coreia do Norte — o encontro entre Kim Jong-un e Donald Trump. A cúpula resultou na assinatura de um documento final em que Pyongyang confirmou sua lealdade aos princípios de desnuclearização da península coreana.

    Mais:

    Quem diria? Trump elogia 'progresso fantástico' na Coreia do Norte
    Coreia do Norte começa a desmontar centro de lançamento de satélites
    Tags:
    acordo de paz, Guerra da Coreia, Moon Jae-in, Kim Jong-un, Donald Trump, Coreia do Sul, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik