03:42 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Vacina

    China desmantela empresa acusada de distribuir vacinas milhares defeituosas a crianças

    © Foto
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 20

    A polícia chinesa deteve indivíduos ligados ao escândalo envolvendo a fabricante de vacinas Changsheng Biotechnology, que falsificou registros e distribuiu cerca de 250.000 vacinas defeituosas para crianças.

    Entre os 15 estão a presidente da companhia, Geo Junfang, e quatro outros executivos.

    "O departamento de segurança pública do novo distrito de Changchun deteve 15 pessoas, incluindo a presidente e outras pessoas envolvidas no caso Changsheng", informou a People's Daily e a emissora estatal CCTV.

    A investigação, lançada na semana passada pela Administração Estatal de Medicamentos da China, revelou que a empresa havia falsificado registros relacionados à produção de aproximadamente 113.000 vacinas contra raiva, além de distribuir mais de 250.000 doses defeituosas contra difteria, coqueluche e tétano. A empresa foi multada em cerca de US $ 502 mil (aproximadamente R$1,8 milhão),  condenada a suspender todas as produções e emitir uma ordem de recall.

    De acordo com o South China Morning Post, um relatório divulgado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças de Shandong determinou que, embora as vacinas fossem ineficazes, elas não eram prejudiciais.

    Além de anunciar o lançamento do acordo contra fabricantes em todo o país, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, afirmou em uma declaração de domingo que a empresa havia cruzado uma linha moral.

    "Resolveremos resolutamente atos ilegais e criminosos que ponham em perigo a segurança da vida das pessoas, puniremos resolutamente os infratores da lei e criticaremos severamente o abandono do dever na supervisão", afirmou Keqiang, citado pelo Strait Times.

    Ecoando os sentimentos compartilhados pelo premiê, o presidente chinês, Xi Jinping, classificou o escândalo de "grave" e "aterrador". Ele também ordenou que as autoridades usassem punições severas "para curar a doença crônica [de corrupção]" e "melhorar a supervisão das vacinas".

    A Changsheng Biotechnology emitiu um pedido de desculpas sobre o assunto, observando que havia aprendido uma lição e que pretendia "manter uma supervisão rigorosa" sobre seus produtos à partir daquele momento.

    Esta não é a primeira vez que a China é atingida por um escândalo relacionado a vacinas. Em novembro de 2017, descobriu-se que o Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan havia vendido 400.520 vacinas contra tétano defeituosas. Em 2016, a Radio Free Asia reportou que a China lançou uma investigação nacional sobre uma operação ilegal de venda de vacinas que vendia remédios fora do prazo de validade e impropriamente armazenados.

    Tags:
    Changsheng Biotechnology, Centro de Controle e Prevenção de Doenças de Shandong, Administração Estatal de Medicamentos da China, Strait Times, Radio Free Asia, Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan, South China Morning Post, CCTVNEWS, Geo Junfang, Li Keqiang, Xi Jinping, Changchun, Wuhan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik