21:33 15 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Superfície do oceano congelada no Ártico

    'Estado quase ártico': China está a caminho de alcançar seu sonho polar

    CC BY 2.0 / Serviço Geológico dos EUA / Arctic Sky
    Ásia e Oceania
    URL curta
    244

    A China lançou uma licitação pública para o design e construção de seu primeiro quebra-gelo movido a energia nuclear. Não possuindo territórios no Ártico, para que precisa o país de construir quebra-gelos?

    Segundo a edição chinesa Global Times, a licitação foi anunciada pela Corporação Nuclear Nacional da China em 21 de junho. Além das funções de quebra-gelo, o navio deve também funcionar como usina energética flutuante.

    Os especialistas russos encaram estas notícias com apreensão. Como mostrou em seu artigo "A China no Ártico" o cientista político Eduard Galimullin da Academia Russa de Economia Nacional e Administração Pública, este é um sério desafio geopolítico para a Rússia.

    A opinião de Galimullin se baseia na análise do documento "Política Ártica Chinesa", publicado em 26 de janeiro pelo Gabinete de Informação do Conselho de Estado chinês. Essa é a primeira publicação oficial que detalha a política da China na região do Ártico, sublinhou Jack Durkee do Centro Wilson.

    Nesse documento, a China se autodenomina como "um Estado quase ártico" ("near-Arctic state"), mas não explica porquê, diz simplesmente que "a China é um dos Estados continentais mais próximos ao Círculo Polar Ártico".

    "Se este critério fosse aplicado com seriedade, então a Coreia do Sul, o Japão, o Polônia e os três países bálticos também seriam 'quase árticos'. O mesmo seriam o Reino Unido, a Alemanha, a França, bem como os países sem fronteiras marítimas, como a Bielorrússia, o Cazaquistão e a Ucrânia, todos localizados aproximadamente à mesma distância do Ártico", ironizou Galimullin.

    Veículos especiais durante os testes de novos armamentos e equipamento militar nas condições do Ártico
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússa
    Para ele, essa autoproclamação é uma espécie de provocação que a China fez conscientemente.

    O especialista russo mencionou também o quebra-gelo que deve ser lançado já em 2019 sob o nome de MV Xue Long 2.

    Para que precisa a China do Ártico? O documento identifica a quintessência da visão da China quanto a esta região: considera-se que "hoje esta se estende muito além de sua natureza regional" e "tem uma importância vital para os interesses dos Estados que não fazem parte da região e também para os interesses da comunidade internacional em seu conjunto". Depois vem a clarificação: "As condições naturais no Ártico e suas mudanças afetam diretamente o clima da China, o estado do meio ambiente e, por sua vez, os interesses econômicos na agricultura, pesca e silvicultura, para além de outros setores".

    O plano para o desenvolvimento das rotas no Ártico também faz parte da iniciativa do Cinturão e Rota da Seda, e Pequim declara abertamente: "A China espera trabalhar com todas as partes interessadas para construir a Rota da Seda Polar através das rotas árticas que estão em desenvolvimento".

    "É evidente que a China fala em respeitar e reconhecer os direitos dos Estados árticos, suas jurisdições nacionais e sua soberania sobre os territórios, mas, se alguém constrói com seu próprio dinheiro 80% das fábricas em uma terra, então de quem esta será? Ou melhor, quem obterá os benefícios máximos da sua utilização?", perguntou Galimullin.

    Tags:
    Ártico, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik