11:43 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente filipino Rodrigo Duterte aponta a fotógrafos durante uma cerimônia de premiação dos trabalhadores do governo, no Palácio Malacanang, Manila, Filipinas. 19 de dezembro de 2016

    Presidente das Filipinas se nega a pedir desculpas após ofensa contra católicos

    © REUTERS / EZRA ACAYAN
    Ásia e Oceania
    URL curta
    411

    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, disse que não pedirá desculpas por chamar Deus de "estúpido" durante uma discussão sobre a Bíblia - apesar da insistência dos grupos religiosos de que ele está arriscando a ira de um poder superior.

    Duterte foi criticado por grupos cristãos que o acusaram de insultar Deus após seus comentários sobre a história bíblica da criação na semana passada.

    "Quem é esse Deus estúpido? Você criou algo perfeito e então pensa em um evento que destruiria a qualidade do seu trabalho", declarou o líder de 73 anos para uma audiência em Davao City em 22 de junho.

    Eddie Villanueva, fundador do Movimento Jesus é o Senhor (JIL), ameaçou mobilizar alguns dos 10 milhões de membros de seu grupo para uma manifestação de oração se não houvesse um pedido de desculpas. Mas, em um discurso para repórteres em Panglao, Bohol, Duterte reforçou o tom desafiante.

    "Não, eu não farei isso, definitivamente. Não em um milhão de anos", garantiu. "Deus é pessoal. Não é formado por livros didáticos. Você nutre Deus como sua fé baseada nos valores que você obtém da vida desde cedo de seus pais".

    Villanueva disse à emissora ANC, das Filipinas, que as palavras do presidente eram uma blasfêmia contra a "mais alta ordem", que convidou a "ira de Deus", a menos que uma desculpa seja feita.

    "A Bíblia é clara, quando você calunia a Deus, você está convidando maldições não só para si mesmo, mas para toda a nação, como calamidades", profetizou.

    Duterte é conhecido por suas declarações extravagantes e, às vezes, ofensivas. Em junho, Duterte fez um longo discurso contra os padres católicos por criticar o governo, acusando-os de hipocrisia. Em 2015, enquanto ainda prefeito da cidade de Davao, ele até amaldiçoou o Papa Francisco pelos engarrafamentos durante sua visita.

    Mais:

    Duterte, aí de novo? Presidente filipino xinga especialista da ONU
    Duterte 'entrará em guerra' se China cruzar 'linhas vermelhas', diz secretário filipino
    Duterte manda recado a suspeito do tráfico: 'quer viver mais tempo? Fique na prisão'
    Tags:
    agressão, blasfêmia, ofensa, Movimento Jesus é o Senhor (JIL), Igreja Católica, Papa Francisco, Eddie Villanueva, Rodrigo Duterte, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik