20:39 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Donald Trump, presidente dos EUA e Xi Jinping, seu homólogo chinês falam depois do encontro realizado em 7 de abril de 2017 em Mar-a-Lago

    China pede colaboração, mas faz alerta os EUA: não cederemos 1 centímetro da nossa terra

    © AP Photo / Alex Brandon
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5100

    O presidente chinês Xi Jinping disse nesta quarta-feira durante encontro com o secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, que a China não "cederá um centímetro" de seu território e pediu aos dois países que fortaleçam a cooperação de defesa para evitar mal-entendidos.

    Em abril, a China enviou uma carta a 36 companhias aéreas estrangeiras exigindo que elas se referissem a Taiwan como parte da China em seus sites. As companhias aéreas dos EUA até agora adiam a decisão, provocando alertas de Pequim. As companhias aéreas têm até 25 de julho para atender às demandas, enquanto a Casa Branca descartou as exigências de Pequim como "bobagem orwelliana".

    "Quanto às questões da soberania e integridade territorial da China, nossa posição é muito firme e clara. Nós não vamos render nem uma polegada da terra de nossos ancestrais, nem queremos um pedaço da terra dos outros", declarou Xi.

    O presidente chinês acrescentou que a cooperação em defesa é uma parte importante das relações bilaterais e instou Washington a fortalecer os contatos entre as autoridades militares dos dois países.

    "O fortalecimento dos contatos de alto nível entre os exércitos dos dois países ajudará a eliminar suspeitas, evitar julgamentos e incidentes errados", continuou.

    O presidente acrescentou que a China e os Estados Unidos têm mais interesses em comum do que mal-entendidos e expressou sua esperança de que as relações bilaterais se desenvolvam com base nos princípios de respeito mútuo e benefício.

    Mattis acolheu a ideia de promover contatos estratégicos com a China para evitar conflitos. O secretário disse, como citado pelo Ministério de Relações Exteriores chinês, que o lado norte-americano está pronto para expandir as esferas de cooperação, monitorar diferenças e riscos, evitar confrontos e confrontos e transformar as relações entre as Forças Armadas em um fator de estabilidade o desenvolvimento das relações China-EUA.

    As tensões entre os dois países vêm aumentando na questão taiwanesa nos últimos meses. Em março, o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou a Lei de Viagens de Taiwan, que agora permite que autoridades dos EUA viajem para a ilha e encontrem suas contrapartes taiwanesas. O movimento provocou fortes objeções de Pequim. No início de junho, os Estados Unidos abriram um novo escritório do Instituto Americano em Taiwan, uma organização que gerencia as relações EUA-Taiwan, que funciona como uma embaixada de fato.

    As relações oficiais entre as autoridades centrais chinesas e Taiwan cessaram em 1949, quando o governo do Kuomintang, liderado por Chiang Kai-shek, fugiu para Taipei após ser derrotado pelo Partido Comunista Chinês, estabelecendo a República da China na ilha. Os contatos informais foram retomados em 1980. Pequim não reconhece a independência de Taiwan e afirma que a ilha faz parte da China. Taiwan também não reconhece o governo central em Pequim.

    Os Estados Unidos não reconheceram Taiwan como um Estado independente, mas continuaram a manter relações não oficiais através do Instituto Americano em Taiwan. O Comunicado Conjunto EUA-China de 1979 trocou o reconhecimento diplomático de Taipei para Pequim como o único governo legal da China.

    Mais:

    Japão faz denúncia à ONU com acusações contra China e Coreia do Norte
    Austrália gastará bilhões de dólares para espiar mar do Sul da China
    China está preparada para 'atacar de volta' os EUA, afirma Xi Jinping
    Tags:
    soberania, diplomacia, relações bilaterais, Donald Trump, James Mattis, Xi Jinping, Taiwan, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik