18:52 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente chinês Xi Jinping fala na sessão de abertura do 6º Diálogo Econômico e Estratégico entre os EUA e a China, Pequim, China, 6 de junho de 2016

    China libera bilhões para conter efeitos de tarifas dos EUA

    © AFP 2018 / SAUL LOEB / POOL
    Ásia e Oceania
    URL curta
    381

    A China anunciou que irá aplicar cortes sobre a exigência aos bancos para que mantenham uma quantia de dinheiro. A media tem a intenção de liberar fundos para pequenas empresas, em meio a uma guerra comercial com os Estados Unidos.

    O Banco Central chinês afirmou que o corte de meio ponto percentual nos índices de exigência de reserva entrará em vigor em 5 de julho. A medida liberará cerca de 700 bilhões de yuans (US$ 108 bilhões) para uso, e 200 bilhões de yuans (US$ 30 bilhões) serão destinado especificamente a pequenas empresas, segundo divulgou o Banco Central Chinês.

    Entre os bancos incluídos estão os cinco principais bancos do país.

    A medida, que amplia  o corte de 1% no índice realizado em 25 de abril, pode ser vista como uma tentativa de fortalecer a economia diante das medidas comerciais punitivas planejadas pelos EUA.

    Em 6 de julho, os Estados Unidos deverão aplicar tarifas sobre US$ 34 bilhões em produtos chineses para punir Pequim por suas tentativas de suplantar o domínio tecnológico dos EUA e, posteriormente, acrescentar tarifas a um adicional de US$ 16 bilhões em bens.

    Pequim prometeu retaliar e Trump ameaçou tarifas adicionais. No total, US$ 450 bilhões em produtos chineses ser punidos pelas medidas, representando quase 90% de todos os produtos que a China exporta para os EUA.

    A retórica já está se intensificando no conflito entre as duas maiores economias do mundo. Na semana passada, um porta-voz do Ministério do Comércio da China disse que Pequim se opunha ao que chamou de "o ato de extrema pressão e chantagem de Washington ao defender o protecionismo comercial".

    Mais:

    Em meio a guerra comercial, vingança contra empresas dos EUA não está na agenda da China
    Em meio à tensão, Jim Mattis embarca rumo à China
    Conflito comercial entre EUA e China: 'o mais interessante está por vir'
    China mostra 'por engano' uma foto do que pode ser seu novo porta-aviões (FOTO)
    Chefe do Pentágono terá sucesso em sua próxima visita à China? Analistas avaliam
    Tags:
    guerra comercial, Reuters, Ministério do Comércio da China, Banco Central da China, Donald Trump, Pequim, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik