05:24 20 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    A plataforma petrolífera Haiyang Shiyou 981, a primeira sonda de perfuração em águas profundas desenvolvida na China, a 320 quilômetros (200 milhas) a sudeste de Hong Kong, no Mar do Sul da China.

    Pequim reivindica controle sobre todo o petróleo e gás no mar do Sul da China

    © AP Photo / Jin Liangkuai
    Ásia e Oceania
    URL curta
    10111

    O Ministério das Relações Exteriores da China anunciou na quinta-feira que mantém o direito exclusivo de recusa sobre toda a exploração de gás e petróleo e mineração no mar do Sul da China.

    O porta-voz da chancelaria chinesa, Lu Kang, disse a repórteres em uma coletiva de imprensa que pediu "às partes relevantes que respeitem seriamente os direitos soberanos e jurisdicionais da China e não façam nada que possa afetar as relações bilaterais ou a paz e estabilidade desta região".

    As "partes relevantes" neste caso são outros países que também reivindicam partes do Mar do Sul da China, particularmente ilhas próximas a reservas de gás e petróleo. Vietnã, Filipinas, Malásia, Brunei e Taiwan têm reivindicações sobre o mar.

    A declaração ocorre depois que a Rosneft Vietnam BV, unidade da petrolífera estatal russa Rosneft, anunciou em seu site em 15 de maio que começou a perfurar um poço de produção na costa do Vietnã no campo de gás Lan Do. Acredita-se que a Lan Do tenha 23 bilhões de metros cúbicos de gás natural e a Rosneft planeja perfurar um segundo poço antes do final do ano.

    O problema é que os campos de gás Lan Do e Phong Lan Dai, ambos vizinhos, estão localizados na área da hidrovia estratégica reivindicada pela República Popular da China e pela República Socialista do Vietnã.

    A disputa sobre quem controla a hidrovia dura "há séculos", como disse o ministro da Defesa de Cingapura, Ng Eng Hen, em fevereiro, mas a situação se tornou mais tensa nos últimos anos, especialmente entre os dois países socialistas. Em junho passado, conversas de alto nível entre Pequim e Hanói foram canceladas após uma contenciosa reunião a portas fechadas sobre a disputa territorial, como informou a Sputnik.

    No mês seguinte, Pequim chegou a prometer atacar bases vietnamitas nas Ilhas Spratly, caso a Talisman-Vietnã, uma subsidiária da petroleira espanhola Reposol, fosse autorizado a continuar se desenvolvendo nas águas polêmicas, informou a Sputnik. A região que a Rosneft está desenvolvendo está muito próxima da área onde a Reposol estava no ano passado, a cerca de 400 km a sudeste de Ho Chi Minh.

    No mês passado, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, afirmou que o Vietnã e a China "concordaram que a resolução das questões marítimas é extremamente importante para o desenvolvimento saudável e sustentável das relações bilaterais".

    "Os dois lados devem administrar melhor as disputas por meio de conversas e abster-se de tomar ações unilaterais que possam complicar e ampliar ainda mais as disputas. Ao mesmo tempo, devemos promover a cooperação no mar, incluindo conversas sobre exploração conjunta". citou Wang como dizendo.

    No entanto, Pequim continuou a desenvolver ilhas do Mar do Sul da China como instalações militares, bloqueadores de comunicação, mísseis de cruzeiro e outros equipamentos militares nas ilhas nos últimos meses, aos quais poderes regionais, incluindo o Vietnã, se opuseram.

    No entanto, outras potências como as Filipinas chegaram a um acordo com a China, com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, e o presidente filipino, Rodrigo Duterte, em novembro passado, criando um "código de conduta" para "reduzir as tensões e os riscos".

    Tags:
    Rosneft, Sputnik, Rodrigo Duterte, Lu Kang, Wang Yi, Phong Lan Dai, Hanói, Brunei, Mar do Sul da China, Malásia, Pequim, Vietnã, Filipinas, Taiwan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik