20:44 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    949
    Nos siga no

    A possibilidade de uma total desnuclearização da Coreia do Norte, que estará no centro da futura e histórica cúpula entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano Kim Jong-un, pode ser simplesmente "impossível", segundo especialistas.

    Há quatro anos, a consultoria RAND Corporation produziu um documento no qual estimava que seriam necessários nada menos do que 273 mil soldados para desmantelar o programa nuclear norte-coreano. Trata-se de um número muito acima do que os EUA enviaram ao Iraque, por exemplo.

    "Francamente, o pool de talentos tem limites", afirmou ao jornal The New York Times o especialista nuclear David Kay, que conduziu a busca por armas não convencionais no Iraque entre 2003 e 2004, apontando que encontrar pessoas capacitadas para a tarefa seria bastante complicada.

    "Não vai ser como no Iraque, onde se encontrássemos alguma coisa, a destruiríamos. Será um caso de entrar como observadores do que a Coreia do Norte vai fazer, e isso vai permitir que o número de inspetores seja baixo. Será o caso de olhar por cima dos ombros deles", emendou.

    Para se ter uma ideia, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) possui pouco mais de 300 agentes para averiguar quase 200 países em todo o planeta. São eles que estão inspecionando nos últimos anos as instalações do Irã, porém a tarefa em Pyongyang seria totalmente diferente.

    "Comparado com a Coreia do Norte, o Irã pode parecer fácil. A Coreia do Norte não será um caso de 'confie, mas verifique'; será um caso de 'desconfie de tudo e verifique, verifique, verifique'", avaliou o cientista nuclear e ex-secretário do Departamento de Energia dos EUA, Ernest Moniz, que participou do acordo nuclear com Teerã.

    Além da quantidade de pessoal, o nível real de colaboração das autoridades norte-coreanas seria outro desafio, já que há uma forte desconfiança sobre as reais intenções de Pyongyang de se desnuclearizar completamente, mesmo que o encontro entre Trump e Kim resulte em um acordo.

    Outro problema é o desconhecimento. Nem mesmo as autoridades dos EUA sabem ao certo quantas instalações nucleares a Coreia do Norte possui (estima-se que seriam entre 40 e 100, com muitos quilômetros quadrados para serem inspecionados na superfície e no subsolo), ou quantas armas atômicas (a CIA fala em 20; já o Departamento de Estado acha que atinge 60).

    Os especialistas ainda consideram outra preocupação, e que não envolve armas nucleares, mas sim as químicas e biológicas – estas a Coreia do Norte não admite possuir, mas a comunidade internacional vê conexão do país asiático com a morte do irmão de Kim, Kim Jong-nam, em um aeroporto da Malásia, com uma arma química.

    Mais:

    Por que Washington não reduzirá tropas na Coreia do Sul?
    Coreia do Sul afirma continuaidade da 'postura bilateral de defesa' com EUA
    COI se dispõe a ajudar na promoção das conversações de paz entre Coreia do Sul e do Norte
    Tags:
    Coreia do Norte, Estados Unidos, Irã, Iraque, Kim Jong-un, Kim Jong-nam, Donald Trump, David Kay, Ernest Moniz, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rand Corporation, CIA, Departamento de Estado dos EUA, armas nucleares, armas químicas, armas biológicas, desnuclearização, diplomacia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar