14:25 19 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Crianças rohingya jogam futebol no campo de refugiados.

    ONU pede a Mianmar que realize 'investigação aprofundada' sobre acusações contra Rohingya

    © AP Photo / Dar Yasin
    Ásia e Oceania
    URL curta
    201

    Um enviado do Conselho de Segurança da ONU disse na terça-feira que Mianmar deve conduzir uma "investigação adequada" sobre as alegadas atrocidades contra os muçulmanos Rohingya em seu estado de Rakhine, no noroeste do país.

    Durante a visita aos campos de refugiados de Rohingya, em Bangladesh, e ao estado de Rakhine, de onde os Rohingya foram levados, a embaixadora do Reino Unido na ONU, Karen Pierce, falou com várias mulheres e meninas que contaram suas histórias e pediram a ajuda da ONU.

    De acordo com Pierce, durante a visita diplomática à área do conflito, ela experimentou uma "combinação de enorme angústia e simpatia pelo que essas mulheres pobres e aquelas crianças pobres passaram e ainda estão passando".

    "Para ter responsabilidade, deve haver uma investigação adequada", disse ela a repórteres em Naypyidaw, capital de Mianmar.

    Na segunda-feira, a delegação se reuniu com o general de Mianmar Min Aung Hlaing, que lidera um militar acusado pela ONU de "limpeza étnica".

    Ele disse a emissários da ONU que suas forças não haviam cometido estupros e outros abusos sexuais contra os muçulmanos Rohingya durante a repressão contra a minoria lançada no final de agosto passado, apesar dos relatos consistentes de violência sexual e assassinatos fornecidos por refugiados Rohingya.

    "É inaceitável de acordo com a cultura e a religião de nosso país", disse o chefe do Exército de Mianmar, acrescentando que qualquer pessoa considerada culpada de crimes seria punida.

    Hlaing também repetiu a linha oficial de que Mianmar estava pronta para receber de volta os refugiados que poderiam ser verificados como residentes, de acordo com um acordo de repatriação com Bangladesh.

    Tags:
    rohingya, Mianmar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik