10:05 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Membros do grupo radical Talibã (foto de arquivo).

    Após derrotas, presidente do Afeganistão convida Talibã para participar das eleições

    © AP Photo / Allauddin Khan
    Ásia e Oceania
    URL curta
    934

    O presidente do Afeganistão convidou o Talibã para participar das próximas eleições parlamentares em outubro. A oferta incomum ocorre quando o grupo militante continua a tomar terras no país devastado pela guerra.

    O governo afegão fez "uma sugestão clara e abrangente sobre a paz" ao Talibã, declarou o presidente Ashraf Ghani no último sábado, enquanto discursava em uma cerimônia de lançamento do registro de eleitores, relatou o site local Pajhwok.

    "A próxima eleição é uma grande oportunidade" para aqueles "que acham que têm raízes neste país", afirmou.

    O Talibã, um movimento fundamentalista islâmico que surgiu na década de 1980, agora "pode aparecer como um partido político e participar desse processo", destacou Ghani. Ele acrescentou que os afegãos estão "cansados do derramamento de sangue" e conclamou o grupo militante a "levar a sério as eleições".

    Ghani já ofereceu o reconhecimento do Talibã como um grupo político legítimo no final de fevereiro. A oferta incluía a negociação de um cessar-fogo e a libertação dos prisioneiros do Talibã, bem como a realização de novas eleições que envolveriam os militantes. O Talibã não respondeu à proposta.

    No entanto, Mohammed Akram Khpalwak, presidente do Conselho Afegão de Paz — uma agência encarregada de negociar com o Talibã — afirmou no sábado que o grupo está considerando a proposta.

    "De acordo com nossas informações, as discussões estão em curso entre eles [o Talibã]", comentou, conforme citado pela TOLO News.

    Derrotas de Cabul

    Organizar conversações de paz diretas entre o governo de Cabul e o Talibã há muito tem sido impulsionado por potências mundiais e vizinhos do Afeganistão. Recentemente, o presidente do Uzbequistão, Shavkat Mirziyoyev, disse que seu país está disposto a sediar negociações.

    Enquanto isso, a oferta de paz de Ghani veio vários dias depois que o Talibã obteve outra vitória na província de Ghazni, não muito longe de Cabul. Na quinta-feira, combatentes do Talibã mataram o governador do distrito de Ghazni, Khawaja Omari, Ali Dost Shams, bem como seus guarda-costas, sete policiais e cinco agentes de inteligência do governo, segundo um policial local.

    O porta-voz do Talibã, Zabiullah Mojahid, disse em comunicado que o grupo agora controla partes fundamentais do distrito, incluindo o governo e a sede da polícia. Autoridades provinciais negaram essa afirmação. Khawaja Omari foi considerado um dos distritos mais seguros da província de Ghazni.

    No ano passado, o grupo militante intensificou seus ataques, principalmente no norte e no sul do país. Em julho de 2017, combatentes do Talibã invadiram e tomaram o distrito de Jani Khel na província de Paktia, localizada ao sul de Cabul. A queda de Jani Khel marcou a terceira vitória consecutiva dos islamistas em apenas quatro dias.

    Anteriormente, o Talibã invadiu o distrito de Kohistan, na província de Faryab, no norte do país, depois de atacar a sede do governo do distrito, forçando as forças de segurança locais a recuar para outra base. Apenas algumas horas após a captura de Kohistan, o Talibã tomou o distrito de Taywara, na província de Ghor.

    O grupo conquistou uma posição significativa no país apesar de inicialmente ter sido impedido pela invasão liderada pelos EUA, há 17 anos. Desde então, dezenas de milhares de vidas foram perdidas, enquanto o Afeganistão continua atormentado por corrupção profunda, terrorismo e divisões tribais.

    Mais:

    Afeganistão oferece reconhecer Talibã como grupo político
    Talibã perpetra atentado na capital afegã, deixando ao menos 95 mortos e 158 feridos
    Forças afegãs matam 9 militantes do Talibã
    Tags:
    política, terrorismo, guerra, guerra afegã, violência, Conselho Afegão de Paz, Talibã, Zabiullah Mojahid, Shavkat Mirziyoyev, Mohammed Akram Khpalwak, Ashraf Ghani, Cabul, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik