00:42 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira dos EUA junto a emblema nacional da China (foto de arquivo)

    Pequim promete oferecer resistência a Washington por ações unilaterais

    © AP Photo / Andy Wong
    Ásia e Oceania
    URL curta
    150

    A China e os Estados Unidos não realizam nenhumas negociações quanto às disputas comerciais, pois a Casa Branca não expressa desejo de dialogar, afirmou o porta-voz do Ministério do Comércio chinês, Gao Feng, sublinhando que Pequim está pronto a oferecer resistência a Washington.

    "No momento, representantes oficiais dos EUA e da China responsáveis pelo setor financeiro não estão tendo nenhumas negociações sobre disputas econômico-comerciais […] a parte norte-americana não mostrou nenhuma disposição sincera de realizar tais negociações", disse Feng em uma coletiva de imprensa.

    Segundo o porta-voz, as partes poderiam dialogar no âmbito da Organização Mundial do Comércio, mas isso depende de os EUA ainda respeitarem as regras do sistema de comércio multilateral.

    Feng sublinhou que "caso os Estados Unidos [… ]continuem seguindo a política de ações unilaterais e protecionismo, a China oferecerá resistência e lutará até o fim".

    Anteriormente, Washington aumentou as tarifas sobre 1,3 mil produtos chineses em resposta à violação dos direitos intelectuais dos produtos estadunidenses por parte do Pequim. Com esta medida, os EUA pretendem superar um défice de vários bilhões no comércio coma China. Ao mesmo tempo, na semana passada, o presidente Trump pediu à administração para que estude a possibilidade aumentar de novo as tarifas sobre os produtos chineses.

    Por sua vez, o Ministério do Comércio da China anunciou a introdução de tarifas aduaneiras sobre 106 produtos provenientes dos EUA.

    Mais:

    EUA esperam desenvolver parceria 'mais produtiva' com China
    China critica os EUA por autorizarem vendas de tecnologia submarina a Taiwan
    Tags:
    aumento, tarifas, guerra comercial, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik