07:09 28 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Navios chineses durante exercícios navais no mar da China Oriental (foto de arquivo)

    Guerra comercial entre China e EUA já envolve armamentos reais

    © REUTERS / China Daily
    Ásia e Oceania
    URL curta
    15434

    A ameaça de sanções por parte dos EUA obriga Pequim a mostrar a Washington o seu poderio militar, afirmou o analista militar Minnie Chan em entrevista a edição chinesa South China Morning Post.

    Assim, no dia 5 de abril, a China iniciou manobras navais de grande escala em resposta aos exercícios militares de três porta-aviões da Frota dos EUA, planejados para esta região. No total, mais de 40 navios das Frotas do Norte, do Leste e do Sul participarão das manobras chinesas.

    Segundo o especialista militar, os treinamentos mostram a determinação do país asiático em defender seus interesses econômicos.

    De acordo com outro especialista militar, Zhou Chenming, "a China quer demostrar ao mundo seu compromisso com a defesa dos resultados das reformas econômicas alcançadas nos últimos 40 anos".

    O especialista ressaltou também que "para os EUA, bem como para a China, o poderio militar é uma das ferramentas do governo para defender os interesses nacionais".

    No dia 3 de abril, o Escritório do Representante de Comércio dos EUA (USTR) anunciou que aplicaria tarifas sobre as importações de 1,3 mil produtos chineses, em um valor total de US$ 50 bilhões. Dois dias depois, o presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou estar disposto a aumentar as tarifas até US$ 100 bilhões. Por sua vez, o Ministério do Comércio da China anunciou a introdução de tarifas aduaneiras contra 128 produtos provenientes dos EUA.

    Mais:

    Guerra comercial entre EUA e China pode beneficiar setor do agronegócio brasileiro
    China leva 'guerra de tarifas' contra EUA à OMC
    Guerra comercial com a China impacta pequenos agricultores dos EUA
    Tags:
    tensões, guerra comercial, manobras navais, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik