18:02 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente filipino, Rodrigo Duterte, discursa durante sua visita à cidade de Tarlac, em 11 de dezembro de 2016

    Duterte sugere que CIA poderia explodir seu avião após acordo com Rússia e China

    © REUTERS/ CZAR DANCEL
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6221

    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, não descarta que os EUA possam ficar muito aborrecidos ao considerarem a sua decisão de obter armas da China e da Rússia uma ameaça, depois que Washington se recusou a fornecer armas para Manila.

    As Filipinas vêm buscando armas modernas e armas leves para intensificar o combate aos islamistas ligados ao Daesh, desde que Duterte assumiu o cargo em junho de 2016. No entanto, a recusa de Washington de vender rifles de assalto, devido a preocupações sobre o registro de direitos humanos no país em meio à guerra em curso sobre drogas, forçou Duterte a buscar novos fornecedores. Manila, que há muito depende dos EUA para armas, recorreu à China e à Rússia para preencher a lacuna.

    "O fato é que os americanos realmente não honram sua palavra", disse Duterte na quinta-feira, explicando sua decisão de buscar parceiros alternativos. Pequim e Moscou responderam ao chamado, mesmo concordando em fornecer algumas das armas de graça, afirmou o líder filipino a um grupo de agricultores e pescadores reunidos em uma recepção presidencial.

    "Então eu fui à China pedir [ao presidente chinês Xi Jinping] para nos ajudar: 'Eu preciso de armas'", disse Duterte durante seu longo discurso. "Xi Jinping disse: 'Não há problema. Não me pague, é todo seu'".

    "Então eu fui para a Rússia […] 'Eu vim aqui para pedir sua ajuda! Tudo bem, eu vou dar a você, de graça'", continuou Duterte parafraseando a suposta resposta do presidente russo Vladimir Putin durante a reunião deles, no ano passado.

    Após a visita de Duterte a Moscou, em maio de 2017, a Rússia de fato despachou um modesto carregamento de armas para a nação asiática. Em outubro do ano passado, o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, supervisionou pessoalmente a entrega de cerca de 5.000 rifles de assalto Kalashnikov e cerca de 1 milhão de cartuchos de munição, doados como parte de um novo relacionamento entre Moscou e Manila.

    Além das metralhadoras e da munição, a Frota do Pacífico da Rússia também entregou 20 caminhões militares para as Forças Armadas das Filipinas (FAF).

    Pequim também enviou armas para Manila, doando milhares de assaltos e centenas de rifles de precisão, além de munição, às Filipinas como um gesto de "relações amistosas e cooperativas" em junho e outubro do ano passado.

    No entanto, nada disso significa que Manila está tentando se distanciar de Washington e se juntar a qualquer tipo de bloco militar com Pequim ou Moscou que possa de alguma forma ameaçar os EUA, enfatizou o líder filipino.

    "Não há aliança militar. Eu não estou preparado para isso", disse ele. "Até hoje, a Rússia e a China ainda precisam pedir até um pedaço de papel ou lápis".

    "Pelo menos, se algum dia meu avião explodir, ou se explodir uma bomba na beira da estrada, talvez você possa perguntar à CIA", observou Duterte em uma mistura de filipino e inglês, sem descartar que alguns americanos pudessem achar seus argumentos pouco convincentes. "Essa é a minha experiência. Estou compartilhando com você".

    Mais:

    Presidente das Filipinas sugere jogar investigadores da ONU 'aos crocodilos'
    Presidente das Filipinas inova para obter aumento salarial: 'Tenho 2 esposas'
    Presidente das Filipinas defende que população não use preservativos: 'não dão prazer'
    Tags:
    rifle, direitos humanos, defesa, segurança, armamentos, metralhadora Kalashnikov, Forças Armadas das Filipinas (FAF), CIA, Sergei Shoigu, Vladimir Putin, Xi Jinping, Rodrigo Duterte, China, Rússia, Estados Unidos, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik