21:49 23 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Convertiplano MV-22B Osprey norte-americano sobrevoando o lago Washington

    Com a mira nas Curilas? Força Aérea dos EUA aumenta presença no Japão

    © AP Photo / Elaine Thompson
    Ásia e Oceania
    URL curta
    727

    A Força Aérea dos EUA anunciou o deslocamento ao Japão de convertiplanos Bell-Boeing CV-22 Osprey nesta semana, um ano antes do prazo previsto. O deslocamento das aeronaves poderá complicar as relações entre Tóquio e Moscou, advertem vários especialistas russos.

    Cinco CV-22 Osprey estadunidenses serão posicionados na base aérea de Yokota, perto de Tóquio.

    Segundo o comunicado das forças norte-americanas no Japão (USFJ) "o deslocamento dos CV-22 […] visa garantir a segurança na região, de acordo com a recentemente publicada Estratégia de Defesa Nacional".

    Esta será a primeira vez que os convertiplanos estadunidenses ficarão posicionados na ilha principal do arquipélago japonês, Honshu. A medida já provocou preocupações entre vários especialistas russos.

    "No momento, os EUA podem aumentar sem grande dificuldade o número de efetivos das unidades e formações deslocadas nas ilhas japonesas. A nova deslocação dos CV-22 Osprey é mais uma prova disso. No entanto, com a mesma facilidade, os EUA poderão mobilizar forças e recursos necessários nas Ilhas Curilas em caso de sua hipotética transferência para a jurisdição do Japão. Isso já poderia mudar drasticamente o equilíbrio estratégico militar na região", opina o analista militar Mikhail Khodaryonok no seu artigo no Gazeta.ru.

    70 anos depois da Segunda Guerra Mundial, a Rússia e o Japão continuam sem assinar um acordo de paz. A disputa territorial em torno das Ilhas Curilas entre Moscou e Tóquio permanece por resolver.Depois da capitulação do Japão, todas as ilhas deste arquipélago, situado ao norte do país asiático, passaram a fazer parte da URSS, enquanto Tóquio disputa a soberania das ilhas de Iturup, Kunashir, Shikotan e do grupo das ilhas Habomai. Os territórios disputados têm uma grande importância militar, estratégica e econômica. 

    "É que o arquipélago das Ilhas Curilas representa uma espécie de chave do mar de Okhotsk, que é uma das áreas de serviço dos submarinos estratégicos de mísseis da Frota do Pacífico da Rússia", explicou o ex-vice-chefe do Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas, Valery Zaparenko.

    Segundo o militar, se o Japão obtiver as ilhas de Iturup, Kunashir, Shikotan e Habomai, serão criadas as condições ideais para que os navios de guerra japoneses e norte-americanos se estabeleçam nesta parte do arquipélago.

    Como resultado, aumentarão as capacidades de ambas as frotas quanto à inteligência, defesa antissubmarina e combate contra os submarinos russos.

    Tal cenário complicará significativamente a estabilidade operacional destes últimos, sublinha Zaparenko, afetando gravemente a capacidade de combate das forças nucleares estratégicas navais russas no oceano Pacífico.

    "Além disso, o posicionamento de unidades e destacamentos dos EUA e Japão em algumas ilhas do arquipélago das Curilas criará boas condições para operações de desembarque marítimo e aéreo", acrescentou Konstantin Makienko, vice-diretor do Centro Analítico de Estratégias e Tecnologias russo.

    De acordo com o analista, após obter uma parte das ilhas Curilas em um hipotético confronto militar, Washington e Tóquio poderão facilmente se apoderar das restantes ilhas do arquipélago, bem como aterrissar sem dificuldades na Sacalina, a maior ilha da Rússia.

    Mais:

    Japão prefere estreitar relações com Rússia e não seguir 'passos' dos EUA
    Inteligência russa: EUA usam ameaça norte-coreana para aumentar exportações de armas
    Tags:
    convertiplano, Força Aérea, presença militar, MV-22 Osprey, Ilhas Curilas, Rússia, Japão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik