17:08 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O Presidente Xi Jinping visita o parlamento em Cairo, Egito, 21de janeiro, 2016.

    Xi Jinping: 'Qualquer ação ou truque para dividir a China está condenada ao fracasso'

    © AP Photo / Ahmed Omar
    Ásia e Oceania
    URL curta
    10231

    Em um aviso explícito a Taipei e Washington contra os movimentos separatistas, o presidente chinês Xi Jinping enfatizou que qualquer violação da política de uma China unificada está condenada ao fracasso.

    "É uma aspiração compartilhada por todos os chineses e que responde aos seus interesses básicos para salvaguardar a soberania e integridade territorial da China e realizar a reunificação completa da China", afirmou o presidente durante um discurso na sessão anual do Parlamento chinês.

    "Qualquer ação ou truque para dividir a China está condenada ao fracasso e enfrentará a condenação das pessoas e a punição da história", acrescentou.

    Observando que os chineses são firmemente contra qualquer atividade separatista em Taiwan, Xi defendeu uma "reunificação pacífica" da ilha autônoma com a China continental, observando que é "absolutamente impossível separar qualquer polegada de território de nosso grande país".

    O aviso de Pequim ocorreu alguns dias depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma lei que permite que as autoridades estadunidenses "de todos os níveis" viajem para Taipei para se encontrar com seus homólogos, que também receberão em Washington "em termos recíprocos".

    Desde 1979, os contatos entre Washington e Taipei foram informais.

    O princípio de uma China unificada é a pedra angular da política do governo chinês em relação ao problema de Taiwan.

    A ilha autogovernada de Taiwan conta com a sua própria administração desde 1949, quando o general Chiang Kai-shek (1887-1975), juntamente com outros apoiadores do partido nacionalista Kuomintang, fugiu para lá depois de ser derrotado na guerra civil com o Comunistas de Mao Tsé-tung.

    Pequim considera Taiwan uma das províncias da China. A maioria dos países, incluindo a Rússia, reconhece que a ilha é parte integrante da República Popular da China.

    Mais:

    Por que Pentágono quer fortalecer defesa de Taiwan?
    China circula Taiwan com bombardeiros e caças
    Diplomata chinês alerta sobre chance de guerra se Marinha dos EUA enviar navio para Taiwan
    Tags:
    ilha, diplomacia, reunificação, Kuomintang, Chiang Kai-shek, Mao Tsé-Tung, Xi Jinping, Estados Unidos, Taiwan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik