04:08 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    2017 também foi marcado por repetidos testes balísticos da Coreia do Norte e até mesmo um teste nuclear. Na foto, o líder norte-coreano Kim Jong-un.

    Polêmica: jornal sul-coreano defende prêmio Nobel da Paz para Kim Jong-un

    © AP Photo / Wong Maye-E
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2099

    Um jornal da Coreia do Sul publicou um artigo que, para muitos, poderia ser apenas uma piada de 1º de abril. Mas não é. De acordo com a publicação, o líder norte-coreano Kim Jong-un é merecedor do prêmio Nobel da Paz pela sua vontade em negociar com Seul e Washington.

    A polêmica não para aí. O mesmo artigo defende que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, também recebam a honraria neste ano. O que soa absurdo em um primeiro momento, porém, tem relação direta com o passado.

    Autor do texto, Oh Young-jin é editor no jornal sul-coreano Korea Times e não se esqueceu o que Kim, Trump e Moon representam. O jornalista relembra que o líder norte-coreano "demonstrou seu desdém pelos direitos humanos com gulags e assassinatos em massa".

    Como premiar um líder norte-coreano que teria ordenado "passar um produto químico mortal na face do seu irmão mais velho que estava no exílio em um agitado aeroporto internacional"? Alguém cujo pai, Kim Jong-il, "planejou vários atos terroristas, incluindo explodir um avião de passageiros sul-coreano"?

    E o que falar de Trump, um "ditador eleito" que "trata as mulheres como brinquedos sexuais” e que obteve “ajuda de um Estado inimigo, a Rússia, na eleição"? Ou Moon que, na sua tentativa de "conciliar com o Norte levanta objeções da nação que viu milhões mortos, sua infra-estrutura destruída durante o conflito há 65 anos"?

    Mesmo diante de tais falhas morais, o texto defende o prêmio para o trio, e faz menção ao passado. Em 2000, o presidente sul-coreano Kim Dae-jung recebeu o Nobel da Paz pela sua contribuição à primeira reunião de cúpula com o Kim Jong-il. Porém, o líder norte-coreano não foi reconhecido e, por isso, "sentiu-se traído pelo líder do Sul".

    "A política de Kim Dae-jung vacilou depois que o presidente dos EUA, George W. Bush, se tornou um linha dura, mas continua se discutindo o que teria acontecido se Kim [Jong-il] tivesse sido reconhecido pelo Nobel. O ditador do Norte poderia ter saído do seu casulo e alcançado o mundo", defendeu o artigo.

    O jornal sugere que, talvez, a Coreia do Norte poderia ter se aberto à comunidade internacional, seus programas nucleares não teriam se tornado uma ameaça, e não se pode descartar que um colapso de Pyongyang tivesse já levado à reunificação da península.

    "Nossa consciência coletiva é o maior obstáculo para premiar os três líderes do prêmio Nobel da Paz. Uma maneira de aliviar nosso coração dolorido é pensar no prêmio como um incentivo para eles mantenham suas palavras de paz. Afinal, a lista dos vencedores do prêmio Nobel inclui muitos vilões e a razão pela qual eles receberam o prêmio nem sempre foi porque eles eram agentes da paz, mas para o propósito maior de vinculá-los a um melhor comportamento. Cada prêmio carrega esse elemento intrínseco de retificar o mau comportamento", argumentou o artigo.

    A publicação ponderou que uma iniciativa de premiar o trio poderia "alcançar a paz que pode poupar ao mundo uma guerra sangrenta, salvar a vida das pessoas, dar aos coreanos a chance de viver pela primeira vez em um século sem o medo da guerra ou perseguição e aliviar o mundo da ameaça do conflito nuclear".

    Embora nenhuma premiação seja garantia de nada, o jornal sul-coreano afirmou que valeria a tentativa. Por um bem maior.

    "Pode-se dizer que se um Prêmio Nobel pudesse manter a paz mundial, o mundo não estaria em perigo em primeiro lugar. Será mesmo? Certamente houve muitas tentativas próximas no cenário global que foram impedidas por um pequeno esforço de fazer diferença. Se o Prêmio Nobel da Paz fizer esse pequeno esforço, por que não tentar — com bastante antecedência?", finalizou.

    A próxima cúpula entre autoridades das duas Coreias acontece no fim de abril. Um mês depois, possivelmente, está previsto o aguardado encontro entre Kim e Trump, em local e data a serem definidos.

    Mais:

    Mogherini: cúpula entre Trump e Kim pode resolver crise e mostrar o poder da diplomacia
    Ex-oficial dos EUA revela como o encontro entre Trump e Kim pode ser um fracasso
    Especialista sobre encontro de Trump e Kim: 'falar não significa chegar a um acordo'
    Tags:
    desnuclearização, Nobel da Paz, acordo de paz, diplomacia, Comitê do Nobel da Paz, Kim Dae-jung, Moon Jae-in, Kim Jong-il, Donald Trump, Kim Jong-un, Estados Unidos, Noruega, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik