08:44 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Lançamento de mísseis balísticos pela Coreia do Norte (foto de arquivo)

    Coreia do Norte presta homenagem a seus mísseis balísticos (FOTO)

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    14194

    A Coreia do Norte construiu monumentos em homenagem ao lançamento de seus mais sofisticados mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs, sigla em inglês), Hwasong-14 e Hwasong-15.

    O avanço desenfreado do programa nuclear norte-coreano tem criado um culto à imagem de Kim Jong-un como um líder capaz de dar uma resposta adequada contra a política agressiva dos EUA.

    Kim Jong-un, ao anunciar os lançamentos bem-sucedidos, declarou "finalmente ter conquistado a grande meta histórica de concluir a força nuclear estatal".

    Os monumentos foram descobertos depois que analistas localizaram os pontos de lançamentos utilizados em 4 de julho e 28 de novembro de 2017.

    "Kim Jong-un está construindo monumentos para Hwasong-14 e Hwasong-15; a ideia de que seus ICBMs e armas nucleares fazem parte de um plano para forçar negociações finais com os EUA não se sustenta", a especialista em assuntos asiáticos, Ankit Panda, escreveu no Twitter.

    As sanções globais contra a Coreia do Norte em decorrência dos programas nucleares e de mísseis aumentaram consideravelmente nos últimos dois anos e levou o presidente norte-americano Donald Trump a reivindicar o crédito pela estratégia de pressão máxima que, segundo ele, forçou Kim Jong-un à mesa de negociações.

    Mais:

    Comentando reunião com Kim, Trump diz que estratégia com Coreia do Norte 'foi um sucesso'
    Presidente chinês elogia disposição dos EUA de dialogar com Coreia do Norte
    Enviado sul-coreano visitará EUA com 'mensagem misteriosa' da Coreia do Norte
    Reunião entre Trump e Kim Jong-un será marcada em algumas semanas
    Tags:
    mísseis balísticos intercontinentais, monumentos, armas nucleares, programa nuclear, ICBM, Donald Trump, Kim Jong-un, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik