12:38 17 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O templo Angkor Wat na província de Siem Reap, Camboja

    Turistas em 'dança pornô' no Camboja: acusações são consideradas exageradas

    © AFP 2018 / TANG CHHIN SOTHY
    Ásia e Oceania
    URL curta
    130

    Dez estrangeiros, dentre eles britânicos, canadenses, um dinamarquês, um norueguês e neozelandês de 19 a 35 anos de idade, correm risco de permanecerem presos por "conduta indecente" perto de área considerada sagrada por cambojanos. As alegações são vistas como aviso para os turistas.

    Na semana passada, a prisão em Siem Reap – lugar turístico cambojano conhecido como rua dos bares – chocou muitos turistas. 77 adoradores de festas foram presos pela polícia do Camboja durante maior operação policial do país contra indecência chamada de o Rei do Milagre.

    Apesar dos dez turistas ocidentais, que atualmente estão presos, terem pedido desculpa pelo "erro" cometido, eles correm risco de passar um ano na cadeia por produzir materiais pornográficos. Algumas imagens "indecentes" dos turistas foram publicadas pela polícia cambojana.

    "Eles querem ir para casa. Eles não querem ficar aqui mais", disse o advogado Sourng Sophea, citado pela emissora nacional norueguesa NRK, sugerindo ter sido uma reação exagerada das autoridades cambojanas. "Quando a polícia chegou, eles estavam vestidos com roupa íntima enquanto bebiam. Acusações de que estavam produzindo pornografia são exageradas, bem como o fato de agora estarem presos", adicionou ele.

    O vice-presidente de Direitos Humanos na Ásia, Phil Robertson, frisou que a detenção pode ser uma reação à onda de casos semelhantes nos últimos anos de turistas pousando sem roupa em ruinas, que são consideradas pela população como lugares sagrados.

    Em janeiro de 2015, uma mulher sem camisa no Templo de Preah Khan enfureceu o Camboja. A identidade da modelo sem sutiã nunca foi identificada. No mesmo ano, três casos de turistas posando mais ou menos nus em lugares sagrados levaram à prisão. No final de 2017, dois norte-americanos foram presos em Bangkok depois de publicar imagens "indecentes" em Angkor.

    Fotos de turistas desnudos se tornaram tão viral que as autoridades no Camboja instalaram cartazes contra "profanação de templos".

    Dança de turistas no Camboja
    Dança de turistas no Camboja

    Segundo frisou Richardsonn, em entrevista à NRK, sobre o caso em Siem Reap, "os jovens estavam se divertindo em um bar, mas por alguma razão, a polícia de Siem Reap optou por detê-los". Ele sublinhou que a medida mais aplicada pelas autoridades corresponde à expulsão do país. Richardsonn acredita que as detenções possam ter um impacto negativo no turismo do Camboja.

    Ao longo de várias décadas, Angkor passou a ser um dos destinos mais buscados por turistas dos quatro cantos do mundo, gerando bilhões de dólares para o país.

    O Templo de Preah Khan com tormenta se aproximando

    "Acredito que a polícia finalmente entenda que este ato foi estúpido e que multe os presos, expulsando-os do país", declarou Robertson. Ele espera que a situação seja resolvida dentro de algumas semanas.

    O Tempo Angkor Wat está na bandeira do país e em cédulas nacionais, sendo um dos maiores monumentos religiosos do mundo e lugar central para os cambojanos.

    Você sabia que a bandeira do Camboja é a única no mundo com imagem de um edifício?

    Mais:

    Marinheiro tailandês é confundido com fantasma por ter sido 'cremado'
    Turistas americanos são presos por tirarem fotos nus em templos na Tailândia (FOTOS)
    FOTOS sensuais da 'Kim Kardashian russa' levam seguidores do Instagram à loucura
    Tags:
    profanação, escândalo, multa, prisão, dança, turismo, templo, Camboja
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik