21:13 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Navio USS Pueblo no porto de Pyongyang (foto de arquivo)

    Este barco espião levou Washington e Pyongyang à beira de guerra nuclear

    © AFP 2019 / Ian Timberlake
    Ásia e Oceania
    URL curta
    8211

    Em 23 de janeiro de 1968, há exatamente meio século, a Coreia do Norte atacou e se apoderou do USS Pueblo, um navio espião norte-americano pouco armado que operava em águas internacionais ao largo da costa norte-coreana.

    Enviado para a recolha de informação sobre o exército da nação asiática, o navio não impressionava por seu tamanho, mas contava com equipamentos de criptografia e documentos sensíveis de inteligência, informa The National Interest.

    À beira de uma guerra nuclear

    Durante o ano de 1968, o então presidente dos Estados Unidos, Lyndon Johnson, enfrentou apelos inflamados para que o país tomasse medidas drásticas contra a Coreia do Norte.

    Foram apresentados vários planos, incluindo um relacionado com ataques nucleares. Em certo momento, os Estados Unidos levaram a situação à beira da guerra nuclear ao enviar seu porta-aviões nuclear USS Enterprise para às águas adjacentes da Coreia, enquanto ameaçava usar armas nucleares, a menos que Pyongyang enviasse o barco espião de volta.

    No entanto, Johnson acabou por optar pela moderação, apostando nos esforços diplomáticos e nas conversações com Pyongyang.

    Longo e conflituoso relacionamento entre os dois países

    O 50º aniversário da captura do navio nos lembra que as relações entre Washington e Pyongyang já eram tensas, muito antes de Donald Trump e Kim Jong-un começarem a trocar insultos. Embora os dois países mantenham posições opostas já há mais de meio século, alguns períodos foram piores do que outros.

    Assim, 1968 foi um ano particularmente ruim. Na época, as duas partes trocaram demandas fortes. Imediatamente após a captura do navio, a Marinha dos EUA insistiu que a Coreia do Norte devolvesse a tripulação, além de exigir uma indenização de acordo com o direito internacional.

    EUA pedem desculpas

    A Coreia do Norte estabeleceu que o USS Pueblo tinha estado operando em águas territoriais norte-coreanas, e não internacionais, exigindo as respectivas desculpas dos EUA. Finalmente, em dezembro de 1968, Washington pediu desculpas, coroando um ano de profunda vergonha diplomática.

    Enquanto isso, a tripulação presa não recebeu um bom tratamento, era deixada a morrer de fome, enquanto era interrogada, espancada e torturada psicologicamente por seus captores. Uma vez que os homens foram libertados, os Estados Unidos retiraram as admissões, desculpas e garantias que tinham feito a Pyongyang.

    De barco espião a peça de museu

    No entanto, o dano já tinha sido provocado. A Coreia do Norte havia humilhado os Estados Unidos e tinha conseguido uma vitória propagandística.

    Hoje aquele "saque" da Guerra Fria está localizado no rio Potong e faz parte de um museu da Guerra da Coreia.

    Mais:

    Militares norte-americanos treinam guerra contra Coreia do Norte, diz mídia
    Rússia e China coordenarão esforços para mitigar a crise na península da Coreia
    Manda mais, EUA: Kim Jong-un diz que Coreia do Norte suportará até um século de sanções
    Tags:
    navio, porta-aviões, USS Pueblo, Guerra Fria, Lyndon Johnson, Kim Jong-un, Donald Trump, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar