23:30 17 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Mulher rohingya, em fuga de Mianmar para o Bangladesh, seca seus documentos na fronteira entre os dois países

    Mianmar fecha acordo com Bangladesh para repatriar rohingyas

    © AP Photo/ Bernat Armangue
    Ásia e Oceania
    URL curta
    110

    Os governos de Bangladesh e Mianmar firmaram um acordo nesta terça-feira (16) para solucionar o retorno de mais de 650 mil refugiados rohingyas. O retorno da minoria muçulmana para Mianmar deve começar na próxima semana, em um processo que vai durar dois anos.

    Os países chegaram a um acordo em Naypidaw, capital birmanesa. As autoridades bengalesas emitiram um comunicado em que prometem a construção de cinco acampamentos no estado de Rakhine, ao Norte de Mianmar, região que abrigava a maioria dos rohingyas.

    "Embora estejamos colocando um prazo de dois anos, isso ainda depende de como os dois países vão cooperar", disse o porta-voz do governo de Myanmar, Zaw Htay. "As autoridades do Bangladesh precisam prosseguir com os papéis e os documentos para os refugiados e enviá-los para nós rapidamente".

    Os muçulmanos Rohingya não são oficialmente reconhecidos pelo governo de Mianmar como cidadãos e há décadas a maioria budista birmanesa é acusada de submetê-los a discriminação e violência.

     

    Mais:

    Mianmar admite ter matado 10 rohingya após obrigá-los a cavar os próprios túmulos
    MSF: Governo de Mianmar matou 6700 rohingyas em um único mês
    EUA introduzem projeto de lei para impor sanções a militares do Mianmar
    Barco com 130 muçulmanos rohingya fugindo de Mianmar vira no golfo de Bengala
    Facebook é acusado de censurar posts de minoria que denuncia ataques do governo de Mianmar
    Tags:
    rohingyas, minorias étnicas, muçulmanos, Mianmar, Bangladesh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik