06:11 18 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Um militar estadunidense revisa uma mulher coreana procurando armamentos escondidos (foto de arquivo)

    Japão se recusa a alterar acordo com Coreia do Sul sobre escravas sexuais

    © AP Photo / Gene Herrick
    Ásia e Oceania
    URL curta
    478
    Nos siga no

    O Japão se recusa a alterar o acordo com a Coreia do Sul sobre as chamadas mulheres de "consolo", escravas sexuais sul-coreanas que o exército japonês mantinha nos prostíbulos durantes a Segunda Guerra Mundial, declarou o chanceler japonês, Taro Kono.

    "Se o governo sul-coreano […] está disposto a mudar os acordos com o Japão, que já estão sendo implementados, será difícil gerir as relações bilaterais, o que seria inaceitável para o governo japonês", disse o ministro em uma nota publicada pela chancelaria do Japão.

    Kamo apelou à Coreia do Sul para que cumpra os compromissos assumidos no âmbito dos acordos atuais.

    Desta maneira, o chanceler japonês respondeu à declaração de sua homóloga sul-coreana, Kang Kyung-wha, que lamentou que o acordo firmado entre Japão e o anterior governo da Coreia do Sul em 2015 não levasse em consideração a opinião das vítimas.

    A declaração da ministra sul-coreana está baseada nos dados de um grupo de trabalho criado para investigar o acordo conseguido antes do novo presidente, Moon Jae-in, ter assumido o cargo.

    O grupo de trabalho qualificou as várias cláusulas do tratado como injustas, como a promessa de Seul de não apoiar e minimizar as críticas do acordo pela sociedade sul-coreana, segundo comunicou a Yonhap.

    Além disso, os historiadores criticaram o anterior governo sul-coreano por ter aceitado o pedido de não usar a frase "escravidão sexual" em referência às vítimas, usando em vez disso o eufemismo "mulheres de consolo".

    Conforme o acordo, o Japão concedeu quase nove milhões de dólares de indenização a uma fundação de apoio às vítimas. Em troca, Seul prometeu reconhecer o tratado resolvendo o assunto "de modo irreversível".

    As autoridades sul-coreanas estimam que quase 200 mil mulheres, na maioria coreanas, caíram na escravidão dos soldados japoneses durante a Segunda Guerra Mundial.

    Mais:

    Japão autoriza orçamento militar recorde
    Embaixador japonês: estamos nos preparando para nos defender
    Coreia do Sul criará 'torre de controle' para assuntos de Pyongyang
    Tags:
    prostituição, mulheres, escravidão sexual, Segunda Guerra Mundial, Ministério das Relações Exteriores do Japão, Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Coreia do Sul, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar