00:34 17 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Em uma estação de trem na capital da Coreia do Sul, Seul, pessoas assistem TV com imagens de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, à esquerda, e Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte, à direita (Terça-feira, 21 de novembro de 2017).

    EUA impõem sanções contra dois oficiais militares da Coreia do Norte

    © AP Photo / Ahn Young-joon
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2325
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (26), os Estados Unidos expandiram as sanções contra a Coreia do Norte. Desta vez elas recaem sobre dois altos funcionários militares, segundo anunciou o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC, siga em inglês) do Departamento do Tesouro norte-americano.

    Na semana passada, o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade uma resolução que endurece as sanções contra a Coreia do Norte após o país ter realizado novo lançamento de míssil balístico, em 29 de novembro.

    De acordo com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, o diretor adjunto do Departamento de Indústria Militar do Partido dos Trabalhadores da Coreia, Kim Jong Sik, e o primeiro diretor do Departamento de Varejo do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia, Ri Pyong Chol, foram alvo devido ao suposto envolvimento no programa de mísseis balísticos norte-coreanos.

    "O Tesouro está focando em líderes dos programas de mísseis balísticos da Coreia do Norte, como parte de nossa campanha de pressão máxima para isolar [a Coreia do Norte] e conseguir uma península coreana totalmente desnuclearizada", diz a declaração do departamento.

    As tensões na península coreana aumentaram ainda mais devido aos repetidos lançamentos de mísseis balísticos de Pyongyang. Com a última ocorrência em 29 de novembro, o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade uma resolução sobre o endurecimento das sanções contra a Coreia do Norte. Pyongyang respondeu, refutando as novas sanções e encarando-as como um "ato de guerra".

    Pyongyang afirmou que o míssil balístico intercontinental (ICBM, sigla em inglês) HBB-15, testado em novembro, é capaz de atingir qualquer alvo no território continental dos Estados Unidos, levando a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, a exigir da comunidade internacional que cortem suas relações comerciais, diplomáticas, militares e outras quaisquer com Pyongyang.

    Desde a escalada da crise na península coreana, a administração dos EUA vem enviando sinais mistos sobre sua visão de como resolver o problema. Enquanto o conselheiro de segurança nacional de Trump, Herbert McMaster, declarou que "todas as opções estão na mesa" em relação à situação na península coreana, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, anunciou que Washington estava "pronto para conversar a qualquer momento" com Pyongyang, "sem pré-condição". Porém, enfatizou que "o esforço diplomático deve ser respaldado por uma alternativa militar crível".

    Mais:

    Revista infantil francesa chama Israel e Coreia do Norte de países 'não verdadeiros'
    Kremlin: Rússia está pronta para mediar situação entre EUA e Coreia do Norte
    Novo lançamento de satélite pode esconder mais um teste balístico da Coreia do Norte
    Coreia do Norte: Reino Unido age como 'servo' dos EUA, que serão alvo dos canhões do Norte
    Tags:
    sanções econômicas, sanções, ONU, Kim Jong Sik, Ri Pyong Chol, Herbert Raymond McMaster, Rex Tillerson, Nikki Haley, Estados Unidos, Pyongyang, Seul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar