11:53 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Imagem do Hwasong-14, míssil que a Coreia do Norte afirma ser de longo alcance (intercontinental), em teste realizado em 4 de julho de 2017

    Coreia do Norte manterá silêncio durante Jogos e buscará diálogo em maio, dizem analistas

    © REUTERS / KCNA/via REUTERS
    Ásia e Oceania
    URL curta
    543

    A Coreia do Norte pode abster-se de atos provocativos durante as próximas Olimpíadas de Inverno de PyeongChang, na Coreia do Sul, e pode buscar diálogo com Seul e os Estados Unidos depois de maio, avaliou um centro de pesquisa estatal sul-coreano.

    De acordo com o Instituto Coreano para a Unificação Nacional (KINU), Pyongyang  provavelmente procurará "gerenciar" a situação de segurança no primeiro semestre de 2018, pois esperaria usar seu último anúncio de completar sua força nuclear como um "repouso estratégico" para o próximo estágio da sua estratégia.

    "A atmosfera para o diálogo sobre os laços inter-coreanos e as armas nucleares da Coreia do Norte pode começar a partir de maio se o Norte suspender suas provocações nucleares e de mísseis durante as Olimpíadas, e os exercícios militares de Seul e Washington forem atrasados ou reduzidos", disse o instituto.

    A projeção ocorreu na mesma época em que o presidente sul-coreano Moon Jae-in disse que propôs adiar os exercícios militares conjuntos anuais dos aliados, que o Norte denuncia como um ensaio de guerra, com o objetivo de reduzir as tensões durante os Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang.

    Os aliados geralmente iniciam os exercícios Key Resolve e Foal Eagle no final de fevereiro ou início de março. Mas eles provavelmente coincidirão com os Jogos de Inverno que serão realizados de 9 a 25 de fevereiro em PyeongChang, a 80 quilômetros ao sul da fronteira tensa e inter-coreana. Os Jogos Paraolímpicos estão programados para o dia 9 a 19 de março no mesmo local.

    "A Coreia do Norte pode aceitar as negociações militares propostas por Seul para evitar choques militares acidentais por ocasião das Olimpíadas", ponderou o KINU.

    O instituto disse ainda que a última substituição da Coreia do Norte – a troca do chefe do comitê esportivo estatal – é vista como um sinal para a possível participação do Norte nas Olimpíadas. Choe Hwi substituiu recentemente Choe Ryong-hae, o número dois de fato no Norte, como presidente do Comitê Nacional de Orientação Esportiva.

    "Choe Ryong-hae é um peso-pesado no Norte. Mas [Seul] poderia buscar contatos sobre as Olimpíadas com Choe Hwi, sem grandes encargos políticos", disse Hong Min, pesquisador da KINU.

    Em 2017, a Coreia do Norte realizou seu sexto e mais poderoso teste nuclear e disparou mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) três vezes. Pyongyang afirmou que completou sua "força nuclear do Estado" após o lançamento de um ICBM no final de novembro.

    O próximo ano é importante para a Coreia do Norte, já que 2018 marca o 70º aniversário do estabelecimento do seu regime.

    "A pitada econômica sentida por sanções e pressão irá intensificar-se com seriedade no próximo ano, e o Norte precisa de algumas realizações no setor econômico", disse o instituto. "Pyongyang buscará uma ofensiva da paz depois de alcançar seus feitos econômicos o mais cedo possível".

    Mais:

    Coreia do Norte: Reino Unido age como 'servo' dos EUA, que serão alvo dos canhões do Norte
    Sanções mais duras são sinal para Coreia do Norte diminuir provocações, diz senador russo
    Conselho de Segurança da ONU adota resolução contra Coreia do Norte por unanimidade
    Tags:
    testes de mísseis, icbm, mísseis balísticos intercontinentais, Olimpíadas, Instituto Coreano para a Unificação Nacional (KINU), Choe Ryong-hae, Hong Min, Kim Jong-un, Moon Jae-in, Estados Unidos, Pyongyang, Pyeongchang, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik