19:26 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Nesta foto sem data que foi divulgada pela Agência Central de Notícias da Coreia do Norte em Pyongyang no dia 7 de Março de 2017, o líder da Coreia do Norte Kim Jong-un supervisou o lançamento de mísseis balísticos das unidades da artilharia de Hwasong das Forças Estratégicas do Exercito Popular da Coreia

    Coreia do Norte começa a testar mísseis dotados de armas biológicas

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    203313

    A Coreia do Norte iniciou testes para carregar o antraz em mísseis balísticos intercontinentais, comunicou na terça (19) o jornal japonês Asahi, citando fontes anônimas de inteligência.

    O relatório diz que os testes consistem em assegurar que o antraz sobreviva às altas temperaturas geradas durante a reentrada na atmosfera terrestre, indica a Bloomberg.

    A Coreia do Norte possui de 2,5 a 5 mil toneladas de armas químicas e é capaz de produzir os agentes biológicos tais como antraz e varíola, comunicou anteriormente a Coreia do Sul. 

    O relatório do Asahi surgiu um dia depois que a Casa Branca publicou sua Estratégia de Segurança Nacional, um documento que afirma que Pyongyang está "testando armas químicas e biológicas que podem também ser entregues por mísseis". 

    "A Coreia do Norte é o país que faz seu próprio povo morrer de fome, que gastou centenas de milhões de dólares para as armas nucleares, químicas e biológicas e que podem ameaçar a nossa pátria", afirmou o relatório.

    A Coreia do Norte afirma que concluíram sua força nuclear após ter lançado o novo Hwasong-15 em Novembro. Segundo as estimativas da Coreia do Sul, o míssil norte-coreano pode potencialmente sobrevoar 13 mil quilômetros e alcançar Washington, mas é necessária uma análise adicional para determinar se era capaz de reentrar.

    Mais:

    Arma do regime: mais uma razão para temer a Coreia do Norte
    Coreia do Norte quer virar a mais poderosa potência nuclear
    Tags:
    defesa, antraz, testes, armas biológicas, míssil, ameaça, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar