13:26 18 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Líder norte coreano, Kim Jong-un, observa treinamento militar (a foto sem data foi divulgada pela agência de notícias central da Coreia do Norte em 11 de dezembro de 2016)

    Arma do regime: mais uma razão para temer a Coreia do Norte

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    16182

    No caso de uma confrontação militar entre os EUA e a Coreia do Norte, a capacidade de Pyongyang de se envolver em uma guerra cibernética pode virar uma das suas vantagens principais, afirma a autora de um artigo no jornal Ottawa Citizen.

    O regime, que aproveita qualquer oportunidade para se gabar de capacidades militares das quais ainda não dispõe, conseguiu complementar as suas legiões leais ao líder com um exército de 6 mil hackers.

    Shannon Gormley afirma no seu artigo no Ottawa Citizen que tudo começou com o pai de Kim Jong-un, Kim Jong-il, que foi primeiro a intuir que não é bastante ter armas nucleares para preservar o regime. Após isso, os melhores estudantes norte-coreanos começaram a passar cursos de formação em informática na China.

    Inicialmente eles não preocupavam ninguém. Mas, já em 2014, de acordo com a autora, os hackers obtiveram uma grande quantidade de dados pessoais de empregados da Sony

    Bitcoin
    © REUTERS / Benoit Tessier/File Photo
    Mais recentemente, eles começaram a efetuar pequenos roubos, ameaçando apagar os dados pessoais de pessoas se estas não pagassem um determinado valor, por exemplo, $300 em Bitcoin, mas também organizaram um ataque à Reserva Federal dos EUA em 2016, segundo anunciou o The New York Times, tendo conseguido roubar 81 milhões de dólares. 

    Estima-se que os hackers agora roubem milhões de dólares anualmente para o regime. Mas o problema não é o dinheiro.

    De acordo com a autora, o regime pode desligar redes sociais, bem como infiltrar sistemas financeiros. Nesta primavera, a Grã-Bretanha entrou em pânico após os seus sistemas informáticos hospitalares terem sido desativados. O governo britânico acha que foram os hackers norte-coreanos que testaram as suas capacidades de paralisar elementos vitais da infraestrutura do país. 

    Segundo Gormley parece que o regime está reforçando as suas capacidades cibernéticas paralelamente com o reforço nuclear, recebendo ajuda do estrangeiro, supostamente do Irã. 

    O problema aqui é que os países ocidentais não podem monitorar os hackers norte-coreanos ou penetrar a rede norte-coreana, porque está praticamente desligada da rede global, o que protege o regime.  

    Shannon Gormley chega à conclusão que a ameaça nuclear da Coreia do Norte pode ser algo terrível, mas que a ameaça cibernética não é menor. Os países ocidentais não podem conter nenhuma delas. 

    Mais:

    Coreia do Norte quer virar a mais poderosa potência nuclear
    Coreia do Norte diz que 'não viola nada' desenvolvendo armas nucleares
    Tags:
    dados pessoais, guerra cibernética, capacidade militar, rede, informática, roubo, hackers, ameaça, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik