02:44 20 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Refugiados rohingya em campo pra refugiados no Bangaldesh

    MSF: Governo de Mianmar matou 6700 rohingyas em um único mês

    © REUTERS/ Mohammad Ponir Hossain
    Ásia e Oceania
    URL curta
    740

    A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) informou que pelo menos 6.700 pessoas foram mortas pelo exército de Mianmar em um único mês. As mortes são o resultado da repressão à minoria muçulmana Rohingya em agosto de 2017.

    A brutalidade dos assassinatos é surpreendente. 69% dos mortos foram mortos a tiros. 9%  foram queimados vivos em suas casas, enquanto outros 5% foram espancados até a morte. A MSF informou que 730 dos 6.700 mortos, cerca de 11%, eram crianças menores de cinco anos.

    "O que descobrimos foi assombroso, tanto em termos do número de pessoas que relataram um membro da família morreu como resultado da violência, e as terríveis maneiras pelas quais eles disseram que foram mortos ou gravemente feridos", disse o diretor médico da MSF, Sidney Wong.

    O número de mortos de agosto, segundo MSF, era a "[estimativa] mais conservadora" disponível. O grupo não foi capaz de coletar dados mais precisos porque as pesquisas apenas representavam os refugiados que fugiram para Bangladesh, e não as centenas de milhares ainda em Mianmar.

    A MSF alega que suas estimativas provêm de uma série de seis pesquisas de mais de 2.400 famílias de Rohingyas que atualmente vivem em campos de refugiados.

    As condições de vida de crianças Rohingya nos campos de refugiados em Bangladesh são sombrias.
    © Foto: Mohammad Ghannam/MSF
    As condições de vida de crianças Rohingya nos campos de refugiados em Bangladesh são sombrias.

    Mianmar negou o relatório, chamando-o de um "exagero grosseiro". O governo afirma que "apenas 400 pessoas foram mortas na prisão", e 376 delas são terroristas.

    Em outubro de 2016, assaltantes atacaram três bases militares birmanes ao longo da fronteira com Mianmar e Bangladesh, matando nove oficiais. Este e outros incidentes semelhantes foram reivindicados pelo Exército da Salvação Arakan Rohingya (ARSA), que afirma ser um grupo nacionalista Rohingya, mas é acusado de ser uma organização islâmica radical pelo governo.

    Em retaliação pelo ataque, Mianmar enviou uma forte presença policial e militar para a região, sob o motivo declarado de desarticular ARSA e outros grupos militantes. Após meses de violência intermitente, a situação explodiu no assassinato de 71 pessoas na noite de 25 de agosto: 59 insurgentes do ARSA e 12 soldados de Mianmar.

    A repressão cresceu rapidamente em uma das piores crises humanitárias do mundo, com mais de 620 mil Rohingya fugindo de Mianmar para Bangladesh para escapar dos purgamentos do governo. Aqueles que permaneceram em Mianmar foram despojados de suas terras, a cidadania foi caçada e rotulados de apátridas.

    O Departamento de Estado dos EUA, a ONU, a Anistia Internacional e a Malásia descreveram as ações tomadas contra os Rohingya como "limpeza étnica" e "crime sistemático contra a humanidade".

    Tags:
    rohingya, Anistia Internacional, Organização das Nações Unidas, Departamento de Estado dos EUA, Exército da Salvação Arakan Rohingya (ARSA), Médicos Sem fronteiras, Sidney Wong, Bangladesh, Malásia, Mianmar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik